OAngkor Wat e os demais templos localizados na cidade de Siem Reap estão na lista de destinos de 9 em cada 10 viajantes que planejam um roteiro pelo Sudeste Asiático. Tem muita gente que, inclusive,  programa uma viagem pela região só para poder ver o sítio arqueológico de Angkor, Patrimônio Mundial da Unesco, com seus próprios olhos.

Tive a chance de visitar Siem Reap duas vezes e posso garantir que tanto Angkor Wat quanto os outros templos são mesmo maravilhosos. Para mim, Angkor está naquele seleto grupo de destinos em que a realidade conseguiu superar a expectativa (e olha que as expectativas sempre foram altíssimas!).

Além do famoso Angkor Wat, que é o templo principal, são dezenas de monumentos e ruínas que nos levam numa jornada inspiradora em alguns capítulos da história da humanidade, nos tempos áureos do Império Khmer.

Para isso, fizemos um guia completo com todas as informações para quem quer conhecer o complexo de templos de Angkor e mergulhar na história de Siem Reap. Vem com a gente!

Saiba mais sobre Angkor Wat, Siem Reap e o antigo Reino Khmer

Angkor, a Cidade Sagrada, capital do Império Khmer, é um dos sítios arqueológicos mais importantes do Sudeste Asiático, para não dizer do planeta. Localizado em Siem Reap, ao norte do Camboja, o complexo se estende por cerca de 400 quilômetros quadrados, sendo uma enorme cidade que começou a ser construída no século XI, chegando a ter quase um milhão de habitantes no auge do Império Khmer – quando a extensão do império correspondia a quase todo o território do Sudeste Asiático.  

O monumental Angkor Wat, seu templo principal e símbolo nacional, é considerado a oitava maravilha do mundo, impressionando pela simetria, grandiosidade e simbologia. Famoso pelo amanhecer, em que suas torres se refletem em tons coloridos nas águas do lago, Angkor Wat foi construído a mando do Rei Suryavarman II, que diz a lenda, teria assumido o poder após assassinar o seu antecessor enquanto este andava em seu elefante.

Entre áreas florestais, lagos e estradas, nos deparamos com magníficos templos budistas, ruínas destes tempos áureos e de períodos hinduístas anteriores, antes da conversão da religião do império para o Budismo, com o Rei Jayavarman VII.  

As construções são uma verdadeira fusão de criatividade, ambição e devoção espiritual que deixa qualquer um impressionado. Andar por estes antigos monumentos, se deparar com seus pequenos detalhes preservados pelos séculos e imaginar toda a história que se passou por lá é uma experiência única.

Angkor Wat Siem ReapA grandeza de Angkor é tamanha que não podemos acreditar que o Império Khmer teve um declínio tão rápido quanto a sua ascensão, tendo sido invadido no século XIV pelo Reino de Sião – que hoje seria o que conhecemos como Tailândia. 

No entanto, apenas agora a história desta civilização memorável começa a ser mais clara: a guerra e decadência econômica da região levaram ao abandono da antiga capital. A região foi tomada pela selva e perdida por mais de um século, até que foi redescoberta pelo ocidente, em explorações missionárias portuguesas no século XVI e posteriormente francesas no século XIX, rendendo-lhe a fama de “cidade esquecida”.

Atualmente, Siem Reap é a cidade base perfeita para mergulhar na história e viver esta aventura. Apesar de ter sido desenvolvida nos anos 60 para dar suporte ao turismo da região, foi nos últimos anos, com o fim definitivo do regime ditatorial do Khmer Rouge, que a cidade pode abraçar o turismo, contando atualmente com uma ótima estrutura turística e excelentes restaurantes, além de muitas outras atrações para seus visitantes.

Como explorar Angkor Wat e a zona arqueológica de Siem Reap

É impossível conhecer Angkor Wat e toda a zona arqueológica em um único dia. Por isso, reserve ao menos dois dias inteiros para poder fazer não só o pequeno circuito, mas também o grande circuito. Montamos aqui uma sugestão de roteiro, que foi o que fizemos, para você poder aproveitar o melhor de Angkor Wat e os templos de Siem Reap!

Valor dos Ingressos

Sim, é cobrado um valor não tão barato para acessar a área dos templos. No primeiro dia da visita você deve ir até o Ticket Office pra adquirir seu. O passe de um dia custa US$ 37, o de 3 dias custa US$ 62, e o de 7 sai por US$ 72. Os ingressos cobrem toda a zona arqueológica de Angkor bem como alguns outros sítios arqueológicos mais afastados, nas proximidades de Siem Reap. É uma pena mas não existem pacotes para apenas dois dias.

O Pequeno Circuito

Com os ingressos à mão, começamos o dia contemplando o famoso amanhecer em Angkor Wat, mas é bom checar a previsão do tempo antes para não madrugar à toa.

Depois de ver as cores do céu refletidas em seu lago, reserve algumas boas horas para explorar o interior do templo que pode ser o resumo da genialidade Khmer, com suas cinco torres simétricas em perfil. Não deixe de subir no topo da cúpula central onde temos uma bela vista 360 graus de todo o planalto, mas prepare-se para a fila!

Angkor Wat Siem ReapTerminando a visita de Angkor Wat, siga para o Ta Prohm Kel, antiga capela do hospital do império, e para o Phnom Bakheng, onde podemos ver Angkor Wat de outro ângulo, do alto de sua construção piramidal.

Talvez depois de algumas horas seja interessante uma pausa para almoço, para processar tudo o que você acabou de ver. Depois do estômago cheio, continue o passeio por dentro da cidade murada de Angkor Thom.

Angkor Wat Siem Reap
Phnom Bakheng

Siga pela entrada monumental do portão sul, south gate e chegue finalmente ao impressionante Bayon, templo budista do legendário Rei Jayavarman VII, com 54 torres góticas contendo cada uma 4 imagens da face de Avalokitshvara, cujo semblante se assemelha em muito com a face do próprio rei, representando seu poder e humanidade, como se este fosse capaz de olhar em todas as direções de seu território.

Angkor Wat Siem Reap
Bayon
Angkor Wat Siem Reap
Bayon

Passando rapidamente pelo Thommanon e Ta Keo, chegue até o Ta Prohm, o famoso templo do filme Tomb Raider, com Angelina Jolie. O templo, que é bem grande, foi engolido por figueiras e outras árvores enormes, tendo um visual incrível das ruínas abraçadas pelas raízes grossas destas árvores.

Ande por seus pátios com calma apreciando sua rusticidade – talvez este seja o templo que dá a sensação de maior encantamento.

Se tiver tempo acabe o dia visitando o grande Banteay Kdei, às margens do lago Srah Srang, que nos tempos antigos era a piscina pública do império.

Angkor Wat Siem Reap
Ta Prohm

Com um primeiro dia cheio que nos deixou impressionado com tudo que vimos, seguimos para o hotel e fomos jantar em um dos restaurantes da Pub Street. Lá é possivel fazer uma aula de culinária e jantar o prato que você acabou de aprender a preparar. Delícia, não? Confira nosso outro post para ver o que fazer em Siem Reap além dos templos.

O Grande Circuito:

Comece o segundo dia de zona arqueológica no Elephants Terraces, um terraço de 350 metros que era a antiga plateia de eventos do Império Khmer. Siga para o Baphuon, que foi recentemente restaurado, após ter sido praticamente destruído durante o período do Khmer Rouge. Apesar de ter estilo hindu, contém um enorme Buda reclinado em seu interior, bem interessante.

Veja o Preah Palilay, um pouco mais reservado, e, saindo pelo north gate, o Preah Khan, um antigo monastério também encoberto pelas raízes das árvores. Confira também o Neak Poan, cujo destaque é sua grande passarela sobre a água, o Ta Som, com uma figueira enorme tomando um dos portais de entrada e o Prasat Pre Rub, templo de Shiva, com grandes terraços.

Angkor Wat Siem Reap
Baphuon
Angkor Wat Siem Reap
Preah Khan
Angkor Wat Siem Reap
Ta Som
Angkor Wat Siem Reap
Neak Poan
Angkor Wat Siem Reap
Prasat Pre Rub

Como você pode ver, são dezenas de ruínas e templos. Você pode escolher conhecer mais construções ou repetir o que mais gostou do pequeno circuito, podendo agora apreciar com mais calma… Afinal nunca se sabe quando se poderá ver outra vez com os próprios olhos Angkor Wat, que também fica belíssimo com a luz do por do sol.

Se estiver com tempo e disposição não deixe de visitar o Prasat Banteay Srei, conhecido também como Cidadela das Mulheres. Um templo ao norte, (dá um zoom out no mapa aí embaixo que ele está marcado também), a 30 minutos dos principais templos, esse impressiona pelos detalhes talhados nas paredes feitas de arenito rosa. Se estiver de tuk-tuk, é provável que ele peça mais U$5 dólares pra te levar até lá. Tente negociar essa visita no pacote do grande circuito antes de pagar.

Angkor Wat Siem Reap
Prasat Banteay Srei
Angkor Wat Siem Reap
Prasat Banteay Srei

Como Visitar Angkor Wat e os templos em Siem Reap

É possível conhecer a zona arqueológica de Angkor de diversas formas. A grande maioria dos turistas escolhe fechar com um tuk-tuk (que cobram cerca de US$ 20 por dia de passeio, para até 4 pessoas) ou um carro particular (US$ 80 por dia de passeio, para até 4 pessoas).

Existe a opção ainda de experimentar de ir por conta própria alugando uma bicicleta ou uma bicicleta elétrica (U$5-10, por dia), o que pode ser bem divertido, além de poder explorar o sítio no seu tempo. Para tristeza de muitos, é proibido o uso de scooters por turistas na zona arqueológica. Mesmo com motorista, não esqueça de levar um mapa com seus pontos de interesse marcados! 

Outra opção é contratar um tour. Fizemos o Pequeno Circuito com o pessoal da Vespa Adventures e a grande vantagem foi além de passear nas lindas scooters vintage, poder contar com um guia profissional, capaz de enriquecer nosso passeio com explicações completas sobre os sítios arqueológicos, história e cultura do povo Khmer. 

Angkor Wat Siem Reap
Nosso passeio de Vespa

E muito importante, mesmo que esteja muito quente: não esqueça de utilizar roupas apropriadas para templo, sem expor ombros e joelhos, pois é importante respeitar a cultura local. Além disso, seja cauteloso ao tirar fotos dos monges e respeite as regras do sítio arqueológico.

Também é possível contratar guias particulares. Para encontrar guias especializados, procure os da associação do Ministério do Turismo, que oferecem tours privativos em inglês a partir de US$ 20.

Como ir para Siem Reap

Basicamente, é possível chegar em Siem Reap de avião ou de ônibus. Nós fomos de avião, mas ônibus pode ser interessante se você estiver vindo da capital e quiser economizar em hospedagem optando por uma viagem noturna.

Mas vale a pena checar sempre o preço da passagem de avião, já que existem muitas companhias low cost no Sudeste Asiático e o aeroporto de Siem Reap é bem moderno e estruturado. No entanto, lembramos que, qualquer que seja a sua escolha, ao entrar no país é necessário fazer um visto on arrival, antes da imigração, que custa U$30, por pessoa – para facilitar leve fotos 3×4.

Melhor época para se visitar Siem Reap

Apesar dos efeitos das monções não serem tão intensos no Camboja, procure evitar os meses de agosto e setembro, auge da estação chuvosa, que vai de maio a novembro. A alta temporada é de novembro a fevereiro, quando o clima é seco e faz bastante calor. Só não é tão quente como de março a maio, época mais quente do ano, em que o sol a pino, pode tornar o passeio bem cansativo.

Veja abaixo um gráfico com a média de temperatura, quantidade de dias com chuva e volume das chuvas:

Angkor Wat Siem Reap - Melhor EpocaOnde se hospedar em Siem Reap

Andar por Siem Reap é fácil e muitos hotéis ficam próximos à rua mais movimentada e cheia de restaurantes, a Pub Street. Vamos deixar aqui duas excelentes sugestões com diárias abaixo de R$90,00 o quarto para o casal.

Vale lembrar que os valores podem sofrer alterações de acordo com a disponibilidade e época do ano. O período tomado como base foi agosto de 2017.

Como mencionei no post O que fazer em Siem Reap além dos templos de Angkor, nesta segunda viagem junto ao Caio, ficamos hospedados no Angkor Pearl Hotel. Um preço bem justo para um café da manhã bem gostoso (incluindo croissants, nutella e um omelete delícia), a uns 10 minutos andando da Pub Street e com um staff super simpático.

Angkor Wat Siem Reap

Com um jardim tropical e uma ótima piscina, o Dyna Boutique Hotel dica a 10 minutos andando do Angkor National Museum. Também conta com restaurante e WIFI. Fica a 10 km do Angkor Wat e a apenas 15 min de carro do aeroporto. Uma excelente opção. O hotel conta com transfer gratuito para o aeroporto. Para mais informações e reservas clique aqui!

Angkor Wat Siem Reap

Vai viajar pelo sudeste asiático? Inclua no seu roteiro Angkor Wat e os templos de Siem Reap!

Não existe maior concentração de arquitetura e riqueza em zonas arqueológicas do que em Siem Reap, o que torna a cidade um dos lugares mais interessantes que já visitamos. A Cidade Sagrada do Reino Khmer é imperdível. Aconselho fortemente que seja uma das principais atrações do seu roteiro pelo sudeste asiático e que você possa conhecer este local sem muita pressa.

Sem falar que a cidade de Siem Reap é cheia de possibilidades, sendo atualmente um dos melhores lugares para se comer e passar o tempo no Sudeste Asiático –  entre lojinhas, projetos sócio-culturais, mercados, aulas de culinária, museus e massagens. Conto mais sobre o que fazer por lá nesse post: O que fazer em Siem Reap além dos templos de Angkor. Não deixe de conferir!

Viagem protegida

Na hora de planejar sua viagem pro Camboja, não se esqueça de incluir um seguro de viagem. Já precisamos usar algumas vezes e, se não fosse o seguro, já estaríamos com um rombo na conta. Se sua viagem for de férias, recomendo fazer uma comparação de preços com a Segurospromo. Tem bastante opção, só escolher a que melhor se encaixa às suas necessidades. E usando o nosso código EMALGUMLUGAR5 você ainda ganha 5% de desconto.

Você também poderá gostar desses posts:

Esse post pode conter link de afiliados. Isso significa que, ao fazer uma reserva a partir desses links, você ajuda a manter nosso blog e não paga nada a mais por isso. Nós agradecemos seu apoio!

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento. Sempre confirme datas, preços e informações.

Booking.com
COMPARTILHAR
Artigo anteriorO QUE FAZER EM LUANG PRABANG, NO LAOS: DICAS DE VIAGEM
Próximo artigoCONHEÇA KOMODO: ILHAS, DRAGÕES E AVENTURA NA INDONÉSIA
32 anos. Carioca. Colecionava carimbos no passaporte durante as férias, mas resolveu levar esse hobbie a sério. Jornalista, trabalhou com marketing por um bom tempo, mas deixou o mundo corporativo para viver uma vida com mais significado. Convenceu o Caio a se jogar no mundo e hoje se dá por satisfeita carregando um caderninho, uma câmera e um tapete de yoga.

22 COMENTÁRIOS

  1. Post mais que completo, quase um guia! 🙂 as fotos estão espetaculares e só me deixaram com mais vontade de conhecer! Em um dia, impossível… dois com certeza para aproveitar bem! (e talvez três, ahahah já que a entrada é pra 3 dias mesmo hahaha)

  2. Que post! Me fez viajar nesse sábado chuvoso e sem novidades… Por um tempo me transportei pra esse lugar inacreditável! Tô relendo e “namorando” cada foto… absorvendo cada detalhe desses templos…

  3. Adriana, parabéns pelo post super completo e detalhado, mas também pelas fotos. Que fotos maravilhosas! Nunca fui para o sudeste asiático, mas com certeza faz parte de um grande sonho. Fiquei impressionada com este lugar e já até salvei para incluir em meu futuro roteiro. Parabéns mais uma vez. O post ficou incrível!

    • Boa Monique! Vamos colocar esses planos em ação porque o sudeste asiático tá cheio de destinos incríveis te esperando, Camboja é apenas um deles! Um abraço!

  4. Que post mais sensacional!
    Sou louca para conhecer o Camboja e já favoritei o post. Aliás, o sudeste asiático está no topo da minha lista de próximos destinos e pretendo riscá-lo o mais breve possível.
    Muito legal seu artigo, Adriana! Daqueles que nos fazem querer viajar mais e mais. Parabéns!

    • Obrigada Rayane! Tem muita coisa sobre sudeste asiático aqui no blog. Ficamos mais de um ano viajando pela região, e Camboja foi um dos destinos que amamos! Se precisar de dicas pra sua viagem, é só chamar!

  5. Nossa… que lugar mais incrível e que post inspirativo! Esse lugar deve ter uma vibe única e uma paz sem igual. Adorei ler esse relato e já quero conhecer esse lugar. Bjs

  6. Parabéns pelo post Adriana! Está super detalhado, exatamente como eu gosto! rsrrs. Assim fica fácil planejar toda a visita pelos templos. Impressionante as fotos de lá, é uma volta no tempo da história! Muito bom!

  7. “(…) em que a realidade conseguiu superar a expectativa(…)” – bem aqui você aguçou ainda mais a minha curiosidade diante de um lugar que já tenho enorme curiosidade! Deslizando pelas palavras e descrições, analisando as fotos, foi aumentando a minha vontade de visitar, ver de perto esta realidade superior às expectativas, porque eu acreditei que deve ser assim mesmo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here