STRIP E POMPOARISMO: COMO É O PING PONG SHOW EM BANGKOK

Fomos conferir a famosa apresentação de pompoarismo na Tailândia. Saiba como foi nossa noite no ping pong show em Bangkok.

  • Caio
  • -
  • 3 de outubro de 2016
  • 21 Comentários

Quer viajar mais por menos?

Inscreva-se agora e baixe nosso e-book: são 40 dicas já para a sua próxima viagem!

Atualizado em 31 de março de 2017.

Quando vim para a Tailândia com a Adriana pela primeira vez, nós montamos uma lista com os lugares que queríamos conhecer. Depois de algumas conversas e finalmente um consenso, incluímos nessa lista o controverso e polêmico “Ping Pong Show”. Afinal, se os dois eram curiosos sobre o assunto, por que não irmos juntos?

Decisão tomada, vamos às pesquisas: buscamos blogs, notícias e tudo mais que pudéssemos ler sobre o assunto. Eu precisava de todas as informações possíveis, afinal não estávamos indo visitar um simples templo budista em Bangkok.

Confira as melhores dicas sobre o que fazer em Bangkok

Buscando informações sobre o Ping Pong Show em Bangkok

A maioria dos relatos que encontramos não eram muito animadores: quase sempre os relatos incluíam ambientes bem sombrios, casos de pessoas enganadas e extorquidas, que não tinham muito o que fazer além de aceitar as condições impostas. E eu não estava disposto a passar por isso.

Fizemos a primeira tentativa e chegamos a ir em uma das ruas onde ficam as casas de ping pong show. O destino foi Patpong, que na verdade é uma rua bem movimentada e turística, onde acontece um dos famosos mercados de rua de Bangkok.

E a oferta de entretenimento adulto está bem ali, em meio a barraquinhas de comida, roupas, capas de celular, vibradores e todo tipo de produto falsificado.

Ping Pong Show em Bangkok
A agitada rua Patpong, em Bangkok. Foto: Juan Antonio F. Segal / CC BY 2.0

Vários “promoters” nos abordavam oferecendo o tão falado espetáculo de pompoarismo, mas ainda estávamos relutantes. Eles nos apresentavam um “menu” com todas as atrações envolvidas, e o ping pong show era apenas uma delas. As opções ainda incluíam tragar um cigarro, retirar uma linha com agulhas e outras coisas bem sombrias. (Mais detalhes sobre os shows no final do post).

O problema é que, por tudo que lemos previamente, essa experiência parecia nos guardar mais estresse do que tranquilidade. Alguns diziam que era cobrado um valor fixo pela entrada (aproximadamente R$30,00) com direito a uma cerveja.

Só que uma vez lá dentro, você era praticamente coagido a pagar um valor extra a cada apresentação. Algo como uma “gorjeta” para cada moça que realizasse sua performance. E se você se recusasse a pagar, seguranças poderiam cobrá-lo de uma maneira não muito amigável.

Não, obrigado, fica pra próxima…

Confesso que passar por uma experiência dessas sozinho com a Dri não me agradava muito, então acabamos não indo dessa vez e esperamos a próxima oportunidade. Não demorou muito para encontrarmos outros interessados: um casal de amigos brasileiros, que também tinha curiosidade e animou de ir com a gente.

Assim nós já éramos 4 – o que não mudava muito o cenário, mas para mim parecia fazer alguma diferença. Dia e horário marcados, agora vamos.

Vai pra Tailândia? Saiba o que NÃO fazer na sua viagem!

Como e onde rolam os ping pong shows em Bangkok

Existem 2 lugares bem conhecidos em Bangkok pra quem quiser ver o que as tailandesas são capazes de fazer. Nós encontramos nossos amigos para uma cerveja e partimos para o primeiro endereço: Patpong.

Primeiro destino: Patpong

Pegamos o metrô e decidimos voltar a Patpong. Como eu disse antes, essa região mistura o tradicional mercado de rua tailandês com algumas casas de ping pong show.

Andamos por ali e, mais uma vez, uma enxurrada de pessoas nos mostravam o menu e se colocavam à disposição para nos levar até uma das casas, com a promessa de um valor fixo e uma grande diversidade de apresentações.

Conversamos um tempo com um desses caras, que nos levou até a porta da ”Super Pussy” (sim, a casa se chamava “Super Pussy” mesmo). Pedi ao segurança para subir e olhar o ambiente. Imediatamente ele me deu acesso ao lugar e lá fui eu analisar a situação, enquanto os outros me aguardaram na porta.

Ping Pong Show em Bangkok
A casa em que entramos pra assistir ao ping pong show. Foto: Eric Molina / CC BY 2.0

Uma escada estreita levava ao ambiente, que era bem escuro. A luz estava apenas no palco, onde 4 mulheres se apresentavam naquele momento. Não consegui reparar muito na performance, mas resolvi dar um voto de confiança e desci para chamar o pessoal.

Antes de entrarmos, nos certificamos com os seguranças sobre os valores cobrados. Fizemos questão de confirmar se seria apenas o valor de entrada incluindo uma cerveja: Nada extra? Apenas a entrada? Não teremos problemas?

Depois da confirmação, entramos e escolhemos uma mesa pra sentar. As 4 cervejas vieram e começamos a assistir. Sob uma luz não muito forte, as apresentações aconteciam no palco, enquanto o restante do ambiente permanecia bem escuro.

E posso dizer que a sequência de shows que começamos a assistir a partir dali era no mínimo bizarra, na falta de um adjetivo mais apropriado.

A hora do show: parte 1

Eram velas em bolos de aniversário sendo apagadas com um sopro, cornetas sendo tocadas, cigarros fumados, bananas cortadas, garrafas de água sendo esvaziadas e enchidas novamente, linhas repletas de agulhas e giletes eram puxadas – sim, de lá mesmo…

Ah, e claro, bolas de ping-pong eram arremessadas para que alguns espectadores rebatessem com raquetes.

Ao final de cada apresentação de pompoarismo, as moças vinham na nossa direção com um pote exigindo gorjeta. Elas ficam enfurecidas com quem se recusa a dar, uma até ensaiou um mini “chute”, mas nada além disso ou nenhuma outra situação mais ameaçadora.

Como o ambiente não era muito agradável e já tínhamos visto o suficiente por ali, resolvemos sair.

Ainda estava cedo e nós queríamos continuar a noite. Estávamos tentando assimilar tudo sobre o que as tailandesas são capazes de fazer e, antes de chegarmos a uma conclusão sobre a experiência que acabávamos de ter, decidimos ver mais em outro lugar. Fomos então para uma outra famosa região de Bangkok: a Soi Cowboy.

em algum lugar do mundo no facebook

Segundo destino: Soi Cowboy

Podemos dizer que a Soi Cowboy é o coração do “Red Light District” em Bangkok. Uma rua repleta de casas noturnas, com muita luz, música alta e gente de todas as nacionalidades, idades e gêneros andando por todos os lados. Muita luz e muita gente na Soi Cowboy. 

Ping Pong Show em Bangkok
Foto: VasenkaPhotography / CC BY 2.0

Essa rua ficou ainda mais famosa depois da gravação do filme “Se Beber Não Case 2”, onde o dentista Stwart se envolve com uma ladyboy, travesti ou pessoa do terceiro sexo. Até hoje o lugar ostenta algumas placas informando que ali foram gravadas as cenas do filme.

Começamos andando pela rua para conhecer o local. Não parei pra contar, mas deve haver mais de 20 opções de casas de show só na Soi Cowboy.

E a primeira impressão foi a de que o ambiente ali era um pouco mais amigável – se é que posso chamar assim – do que encontramos em Patpong.

O que vimos na Soi Cowboy

No palco, umas vinte mulheres dançavam de biquíni de forma sensual (vale ressaltar que o conceito de sensualidade na Tailândia não é bem aquela com que os brasileiros estão acostumados). Antes de escolher um dos lugares, fizemos da mesma forma que antes.

Entramos rapidamente em uma das casas pra ver o local e entender a situação, e o que encontramos ali foi bem diferente: um ambiente mais movimentado, muita luz e com muito neon.

O local escolhido dessa vez chama-se “Spice Girls” e, antes de entrar, procuramos entender como era o pagamento. Para nossa surpresa, não era cobrado entrada e não era exigido gorjeta. A bebida era mais cara (cerca de R$17,00) e, depois que entrasse, você poderia ficar o tempo que quisesse.

Aceitamos a proposta e entramos. Escolhemos nossos lugares e lá dentro tudo era mesmo bem diferente de Patpong. 

A hora do show: parte 2

Durante 2 músicas, umas vinte mulheres dançavam no palco. Nas duas músicas seguintes, elas saíam e apenas algumas ficavam fazendo performances. A sequência era sempre a mesma: um show com duas ou 3 strippers por uns 10 minutos, depois 20 mulheres no palco por mais alguns minutos, seguido de mais uma performance por 2 músicas, e então todas as mulheres de volta novamente. 

Em uma das apresentações, uma mulher subiu no palco e iniciou a demonstração das suas habilidades com seus músculos. Mais uma vez, bolas de ping pong arremessadas e velas apagadas.

Foi então que uma funcionária da casa entregou algumas bolas de encher (bexiga) e distribuiu pra diferentes espectadores. Ela pedia para que eles segurassem as bolas no alto, levantando o braço. Lá estava eu esperando o que iria acontecer nessa performance.

Um silêncio tomou conta da casa nesse momento. De repente a moça do palco coloca seus músculos pra trabalhar novamente e lança um dardo que estoura o balão e, de quebra, ainda crava o dardo no teto do local. Para estourar o segundo balão, foram necessárias duas tentativas e um dos dardos ficou preso na parede. O terceiro balão foi atingido no primeiro tiro, como o primeiro.

Sim, eu lembro da cena com detalhes.

Eu assistia a tudo aquilo tentando acreditar no que estava vendo. Talvez eu não conseguisse tamanha força atirando o dardo com a mão, ou nem acertasse de primeira com aquela distância!

Ficamos um tanto chocados com essa performance e decidimos ficar pra ver se algo mais inusitado poderia acontecer, mas na minha opinião nada mais superou essa apresentação.

Saímos de lá depois de três cervejas, sem nenhuma sensação de insegurança ou ameaça e sem nenhum estresse.

Depois dessa experiência, ainda passamos alguns dias comentando sobre o que tínhamos visto naquele show. Ao final, acabamos divididos entre o arrependimento em ter colaborado com esse tipo de “entretenimento” e a surpresa em ver que as tailandesas parecem realmente ter super-poderes.

Quer mais dicas de viagem? Curta nossa página no Facebook!

em algum lugar do mundo no facebook

Onde se hospedar em Bangkok

Planejando sua viagem pela capital tailandesa e ainda não sabe onde vai dormir? No guia completo de Bangkok, você encontra uma explicação detalhada das melhores regiões para se hospedar em Bangkok e sugestão de hostels e hotéis. Mas para um resumo rápido, aqui vão duas dicas:

A região de Old Town é onde fica a famosa Khao San Road, destino dos mochileiros e de quem quer ficar próximo das principais atrações turísticas. Tem acomodação para todos os gostos ali, e eu sugiro o Thanabhumi ou o Paragon One Residence.

Outra opção (que até prefiro) é ficar por Siam/ Silom. É uma região central, com muito comércio e BTS pra te levar pra todos os lados de Bangkok. O Cubic Bangkok é uma boa opção de hotel nessa área.

Não deixe de conferir outros posts com informações e dicas úteis sobre Bangkok:

E você? Iria a um ping pong show na sua visita a Bangkok?

Esse post pode conter link de afiliados. Isso significa que, ao fazer uma reserva a partir desses links, você ajuda a manter nosso blog e não paga nada a mais por isso. Nós agradecemos seu apoio!

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento. Sempre confirme datas, preços e informações.


Quer saber como viajar mais por menos?

Baixe agora nosso guia gratuito: são 40 dicas imperdíveis para colocar em prática já na sua próxima viagem!

Tailândia: explore

21 comentários em “STRIP E POMPOARISMO: COMO É O PING PONG SHOW EM BANGKOK”

  1. Post bem esclarecedor! Parabéns! Vamos tentar ir na Spice. Mais alguma dica, rs?
    Vem conhecer nosso blog tb http://www.destinadosblog.com.br

    1. Caio Farias disse:

      Letticia e Marlon, éramos bastante curiosos sobre e nenhum artigo nos dava informação suficiente. Esperamos ter deixado claro como é. Pode deixar vou ver o blog agora mesmo!

  2. Lostado disse:

    PARABÉNS.
    Eu estou com minha esposa em Bangkok. Fui até Patpong, mas não senti segurança. Afinal, o propósito é matar a curiosidade.
    Mas fiquei confortável com sua dica em Soi Cowboy. Obrigado

    1. Caio Farias disse:

      Obrigado, sentimos exatamente a mesma sensação, e como somos abordados a todo tempo em Patpong, resolvemos compartilhar nossa experiência. Que bom que valeu!

    1. Caio Farias disse:

      É realmente uma experiência diferente!

  3. Gabi Pizzato disse:

    Oi, Caio,
    Acabo de voltar de Bangkok e não curti nada do que vi na Patpong, especialmente a prostituição juvenil. E sim, somos abordados o tempo inteiro incansavelmente.
    Confesso que tínhamos pensado em assistir um destes shows, mas desistimos por motivos pessoais e por recebermos más informações sobre eles.
    De qualquer forma, gostei do seu relato. Continuo com a mesma opinião; não iria.

  4. felipe disse:

    bem interessante esse site,estou acompanhando vocês e gostando muito das novidades. um abraço 😉

    1. Caio Farias disse:

      Que bom que gostou Felipe! Continua acompanhando, muitas novidades ainda estão por vir! Abs

  5. Gabriela disse:

    Muito esclarecedor! Estão de parabéns pela qualidade de blog. Aqui é a Gabi de Santos que foi no Songkran em Bankog com vcs! Bjs 🙂

    1. Adriana Mendonça disse:

      Êêê Gabi! Que bom foi te conhecer! Espero que saia outro encontro nosso por esse mundão. E obrigada pelo elogio 🙂 Beijo grande e até breve!

  6. Tatiane disse:

    Muito bom post, esclareceu bastante! Tenho curiosidade sobre esses shows, e depois de ler decidir ir a Soi Cowboy, uma vez que relataram tanto desconforto em Patpong. UMA DÚVIDA: a que horas devo chegar nesse lugar? E quanto tempo demora o programa mais ou menos?

    1. Adriana Mendonça disse:

      Oi Tatiane, o movimento começa à noite e segue pela madrugada. Quanto à duração dos shows, eles acontecem o tempo todo. Abraços!

  7. Hannah Mariah de Melo disse:

    Adorei o post! Ainda não tinha encontrado artigo tão esclarecedor quanto o seu. Eu e meu marido vamos final de julho.
    Obrigada por compartilhar. Dei boas risadas e aumentou a minha curiosidade! Rs.

    1. Caio Farias disse:

      Obrigado Hannah, também tínhamos curiosidade e não achávamos nada muito esclarecedor então resolvemos correr o risco. Boa viagem!

  8. Gabriela disse:

    Adorei suas dicas! Aliás um dos melhores sites que encontrei com dicas de bangkok. Uma pergunta: a soi cowboy entra mulheres também? Ou é algo exclusivamente masculino?

    1. Caio Farias disse:

      Olá Gabriela! Que legal! Obrigado pelo feedback! Entram mulheres também! Somos um casal, fomos juntos! Abs.

  9. Beatriz disse:

    Olá, achei bem interessante o post. Eu e meu marido estamos planejando ir para Tailândia no mês de maio, porém estamos com medo da chuvas, tem mais dicas sobre esse mês?!

    1. Caio Farias disse:

      Olá Beatriz, em maio realmente inicia a temporada de monções por lá. Mas dificilmente chove o dia inteiro. Dé uma olhada nesse post aqui ó: https://emalgumlugardomundo.com.br/melhor-epoca-para-visitar-a-tailandia/ . Espero que curtam a viagem! Abs.

  10. Liany Garves disse:

    Oi Caio! Eu acompanho vocês há um tempo no instagram e gosto bastante mas nunca tinha entrado no blog de vocês. Acabei encontrando porque também estou postando sobre os red districts lights e o show de ping pong. Basicamente só tinha achado informações em blogs em inglês quando fui! Bem legal conhecer sua experiência e saber que no final deu tudo certo. Eu acabei não indo, depois de muito pensar a respeito. Indiquei seu relato no meu post, tudo bem: Se quiser dar uma olhada http://www.mochilaoadois.com.br/o-que-fazer-na-tailandia-ping-pong-show/

    Abraços

    1. Caio Farias disse:

      Oi Liany, muito obrigado por acompanhar a gente! Muito obrigado pela indicação. A gente teve um pouco de dificuldade pelo mesmo motivo, líamos apenas relatos em inglês e geralmente furadas. Fomos e como você disse não dá pra falar bem, mas não passamos perrengue. Abs e boas viagens.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos no Instagram

X

JÁ BAIXOU NOSSO E-BOOK GRATUITO?

Inscreva-se agora e receba no seu e-mail nosso e-book: são 40 dicas de como viajar mais e melhor por menos!