Chiang Rai é uma cidade localizada ao norte da Tailândia. Na verdade, embora não seja tão famosa quanto a vizinha Chiang Mai, Chiang Rai tem atraído cada vez mais turistas. E se você já ouviu falar desse lugar ou tem interesse em conhecê-lo, é bem fácil adivinhar o motivo principal: conhecer o Templo Branco de Chiang Rai.

Templo Branco de Chiang RaiEsse famoso templo, que na verdade se chama Wat Rong Khun, é a grande atração que leva viajantes a encararem umas 5 horas de viagem de Chiang Mai até lá. Vamos explicar tudo que você precisa saber sobre o Templo Branco de Chiang Rai, mas vamos mostrar também outras atrações que valem uma visita se você estiver pela cidade. Confere aqui:

Saiba mais sobre Chiang Rai

A cidade foi fundada em 1262 pelo Rei Mangrai, tornando-se a capital da então Dinastia. Posteriormente, Chiang Rai foi conquistada por Myanmar, que governou Chiang Rai por centenas de anos. Só depois em 1786, Chiang Rai se tornou subordinada à Chiang Mai. E finalmente, em 1933, foi proclamada uma província da Tailândia.

Outro fato curioso sobre Chiang Rai: acredita-se que o Buda de Esmeralda, uma das estátuas mais famosas de Buda na Tailândia, foi encontrada em Chiang Rai em 1432 após um terremoto (ou raio – já ouvimos as duas versões!) atingir um templo e acabar revelando a imagem que ficava escondida. Atualmente a imagem encontra-se no Wat Phra Kaew, um dos principais templos de Bangkok.

O famoso Templo Branco de Chiang Rai

Se você já acha as fotos desse templo lindas, espere para ver de perto. O Templo Branco de Chiang Rai é ainda mais impressionante ao vivo, com aquele exterior pintado de branco e cravejado de pedaços minúsculos de vidro.

O gesso branco simboliza a pureza do Buda, enquanto os pedaços de vidro representam sua sabedoria. Essa combinação faz a luz do sol reluzir que chega a doer a vista. Se puder, aguarde para ver o pôr do sol por ali que vale a pena.

Ainda na parte externa, podemos ver duas esculturas representando o “portão do paraíso”: são estátuas com uma expressão bem forte e realística. Há uma ponte que liga a área externa ao templo, e ao atravessarmos essa ponte vemos crânios, mãos e figuras de demônios. Tudo isso representa a transição do inferno (o início da ponte) até o Nirvana (no caso, o templo), a partir da existência terrena (a ponte).

Templo Branco de Chiang RaiTemplo Branco de Chiang RaiTemplo Branco de Chiang Rai
O interior do templo é mais, digamos, controverso. Nós vemos figuras do budismo, como era de se esperar. Há inclusive um altar muito bem ornamentado.

Por outro lado, pelas paredes nós encontramos pinturas que representam super-heróis ocidentais, como personagens da Marvel e da Disney. Há também o Keanu Reeves do filme Matrix e Michael Jackson, entre outros que não memorizei.

Como assim né? Segundo o artista Chalermchai Kositpipat, que criou o templo, essas paredes remetem à mente humana e ao quanto ela é “tomada” pela ilusão com relação à realidade. A mensagem que ele tenta passar é que, por um lado, a vida é permeada por fases, e que a evolução divina se alcança com o tempo. Por outro, ela é tomada pelo apego ao que é terreno e, nesse caso, o fim da vida é tomado pelo mal.

Não sei você, mas pra mim a mensagem passada ficou bem confusa. Não é permitido tirar foto lá dentro e nós respeitamos. Então vai lá, observa e depois me conta o que achou. Mas vamos seguindo em frente.

Já na saída, vemos umas carrancas pregadas às árvores. Aparentemente elas são parecidas, mas, observando direito notamos que elas também representam personagens ocidentais de ficção.

O Templo está aberto das 6h às 17h. Nós passamos por lá por volta de 13h, mas resolvemos voltar mais tarde porque estava lotado. Retornamos próximo do horário de fechar, e ficamos para ver o pôr do sol.

Templo Branco de Chiang Rai

Outras atrações de Chiang Rai

Além do Templo Branco, a cidade possui outros atrativos. Há o Night Bazaar, um mercado noturno que rola diariamente, daqueles que você encontra de tudo um pouco. Se decidir passar a noite em Chiang Rai, certamente é por lá que você vai passear.

Outro lugar interessante que conhecemos por lá foi a Black House, também conhecida como Baan Dam. Lá encontramos um parque com uma coleção curiosa de construções, esculturas e outras obras, tudo construído por um artista tailandês chamado Thawan Duchanee.

Black House Chiang RaiBlack House Chiang Rai

 

 

 

 

Aproveitamos também para visitar o Blue Temple, conhecido como Rong Suea Ten. É um templo novo, finalizado em 2016, e as cores dele são bem fortes e chamativas. O Blue Temple foi construído por um estudante, que era aluno de Mr. Chalermchai  Kositpipat, o famoso arquiteto que construiu o Templo Branco.

Blue Temple Chiang RaiBlue Temple Chiang Rai

Além de tudo que já citamos, se você ainda tiver um pouco de disposição e tempo, dá pra encarar cerca de 1 hora e meia de carro e ir até o Golden Triangle, o ponto em que os rios Ruag e Mae Khong convergem.

É nesse exato ponto que o Myanmar, Laos e Tailândia se encontram. Você pode visitar a imensa estátua dourada do Buda que fica por lá ou fazer um rápido passeio de barco visitando os 3 países. Mas não espere muito dessa visita, principalmente se for feita naqueles tours clássicos: será apenas aquela rápida parada para fazer você comprar alguma coisa em algum dos mercados.

Chiang Rai Golden Triangle
Foto: ryan harvey / CC BY-SA 2.0

Como ir de Chiang Mai para Chiang Rai

É possível ir de Chiang Mai até Chiang Rai de quatro formas: ônibus, alugando um carro ou em um tour de um dia. Nós éramos 4 e achamos mais vantagem alugar um carro em uma agência em Chiang Mai, o que nos deu mais liberdade com os horários e também pra conhecer as outras atrações.

A maioria das pessoas acaba fechando um tour de um dia saindo de Chiang Mai. Há várias opções e algumas incluem almoço e outras paradas no caminho, como essa aqui.

Muitos tours incluem a visita a vila das chamadas Long Neck Women, mulheres que utilizam argolas douradas para alongar o pescoço. Você com certeza já viu uma foto delas. Essa é uma atração extremamente controversa já que as habitantes na vila foram exiladas no Myanmar, seu país de origem e vivem hoje sendo exploradas como atração turística. Como não gostamos dessa idéia resolvemos não financiar este tipo de atividade.

Ir de ônibus também é uma boa pra quem quer mais liberdade de horários ou mesmo passar uma noite em Chiang Rai. A maioria dos ônibus que partem do terminal de ônibus de Chiang Mai para Chiang Rai fazem uma parada no Templo Branco, é só confirmar.

Se for por conta própria e quiser circular por Chiang Rai, o bom e velho tuk tuk será sua melhor opção.

Onde se hospedar em Chiang Rai

Decidiu passar a noite em Chiang Rai? O centro da cidade é o melhor lugar para se hospedar, principalmente se você tiver pouco tempo para visitar a cidade. Perto da rodoviária você encontra acomodações que vão bem com todos os tipos de bolso, de hostels a hotéis de luxo. O Grandma Kaew House é uma opção muito honesta, por apenas 60 reais a diária. Fica quase do lado do Grand Bazaar e bem pertinho da rodoviária de Chiang Rai.

Você pode consultar aqui mais opções de acomodação em Chiang Rai.

Gostou do post? Curta nossa página no Facebook e fique por dentro de várias dicas de viagem pra Tailândia!

em algum lugar do mundo no facebook

Sentiu-se inspirado para viajar pelaTailândia? Não deixe de conferir esses posts:

Esse post pode conter link de afiliados. Isso significa que, ao fazer uma reserva a partir desses links, você ajuda a manter nosso blog e não paga nada a mais por isso. Nós agradecemos seu apoio!

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento. Sempre confirme datas, preços e informações.

Booking.com

1 COMENTÁRIO

  1. A cada foto desse lugar eu fico mais impressionada. Como pode tanto detalhe, tanta precisão… Passa uma paz sem fim. Adorei que vocês deram outras opções em Chiang Rai… Normalmente a gente fica tao impressionado no templo branco que esquece de pensar no que mais fazer 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here