O que fazer em Yogyakarta, o centro cultural de Java na Indonésia | Em Algum Lugar do Mundo

O QUE FAZER EM YOGYAKARTA, O CENTRO CULTURAL DE JAVA NA INDONÉSIA

As 10 principais atrações de Yogyakarta que você deve conhecer em sua visita à cidade

  • Adriana
  • -
  • 1 de abril de 2020
  • Nenhum Comentário

Quer viajar mais por menos?

Inscreva-se agora e receba no seu e-mail nosso e-book: são 40 dicas já para a sua próxima viagem!

A cidade de Yogyakarta é o centro cultural e a alma da ilha de Java, na Indonésia. Atendendo também pelos nomes de Jogjakarta, ou simplesmente Yogya/ Jogja, ela tem um ritmo mais lento e relaxado, bem diferente da capital Jakarta ou de qualquer outra cidade grande.

Nos 2 dias que estivemos em Yogyakarta, percebemos que a cidade soube manter muitos de seus costumes e tradições ao longo dos séculos.

Descobrimos também coisas interessantes, como lá ser o único lugar do país onde o governo é liderado por um Sultão.

Yogyakarta

Yogyakarta foi nossa porta de entrada na Indonésia e não poderíamos ter sido recebidos de melhor forma: encontramos um monte de gente simpática, comida boa e um monte de lugares interessantes.

Na verdade, descobrimos que há muito mais o que fazer em Yogyakarta do que imaginávamos.

Nossos dias acabaram sendo um pouco corridos e cansativos, então resolvemos mostrar aqui as principais atrações de Yogyakarta para você conhecer mais sobre esse lugar e programar sua viagem para lá.

O que fazer em Yogyakarta: 10 atrações imperdíveis

Prepare-se para uma imersão na cultura javanesa. A cidade é muito famosa pela arte do batik, uma pintura tradicional da Indonésia (mais no final o post), mas a quantidade de templos e pontos de interesse em Yogyakarta vão te deixar ocupado por muito tempo!

Veja aqui o que fazer em Yogyakarta, a cidade mais interessante da ilha de Java:

  1. Templo Borobudur
  2. Templo Prambanan
  3. Monte Merapi
  4. Kota Gede
  5. Ratu Boko Palace
  6. Malioboro Street
  7. Ramayana Ballet
  8. Ullen Sentalu Museum
  9. Taman Sari e o Kraton
  10. Aprender sobre o Batik

1. Assistir ao nascer do sol no Templo Borobudur

Bem vindos ao maior templo budista do mundo – e eu não sabia dessa informação até pouco antes de chegar aqui!

Ele se destaca como um dos maiores monumentos religiosos do sudeste asiático, junto com Angkor Wat no Camboja e Bagan no Myanmar.

Nós já estivemos nesses outros dois lugares e eles são realmente impressionantes.

Porém há uma diferença: tanto Angkor Wat como Bagan são na verdade um grande complexo de templos.

Borobudur é um único templo, lindo e grandioso!

Templo Borobudur
Monge no Templo Borobudur

Outra coisa que me intrigou: pelas nossas andanças pelo mundo, facilmente encontramos pessoas que visitaram Angkor Wat ou Bagan.

Porém pouquíssimos viajantes que conhecemos vieram até o Borobudur em Yogyakarta. Não consegui entender por que, se o Borobudur é um templo tão maravilhoso quanto os outros!

Mas vamos falar um pouco dele: o templo consiste em 6 terraços quadrados e 3 circulares, formando uma pirâmide enorme com 9 níveis, 504 estátuas de Buda e mais de 2 mil painéis esculpidos.

Vale a pena perder um bom tempo observando esses painéis, eles são simplesmente maravilhosos.

No topo encontramos 72 estupas no formato que lembra um sino, cada uma com uma estátua de Buda.

A vista lá de cima é linda, dá pra avistar os vulcões Monte Merapi e o Sundoro Sumbing se o tempo estiver bom.

Estupas do Templo Borobudur

Como visitar o Templo Borobudur

A forma mais prática de visitar esse templo é contratar um carro com motorista. Assim você pode visitar o templo e já conhecer outros pontos turísticos no mesmo dia, já que o carro fica à disposição por 10 horas.

O ingresso para o Borobudur deve ser comprado com antecedência. A atração é um tanto cara, mas definitivamente vale a pena.

Há uma outra opção bem interessante, que é um tour de 1 dia para Borobudur, Vulcão Merapi e Templo Prambanan (mostraremos esses lugares a seguir). Nessa opção, o ingresso para os templos já está incluído no valor.

Também dá pra ir por conta própria ao Borobudur, saindo de ônibus de Yogyakarta em uma viagem que leva cerca de 1h30.

Dica | Muitas pessoas acordam cedo pra assistir ao nascer do sol do Borobudur. Nós fizemos uma escolha diferente: fomos até o Setumbu Hill, um morro de onde você tem uma vista do alto de todo o templo Borobudur. Mas o dia amanheceu com muita neblina e não conseguimos ver nada 🙁

Para mais detalhes, confira o post sobre o Templo Borobudur

2. Assistir ao pôr do sol no Templo Prambanan

Considerado um dos mais bonitos, maiores e mais altos templos hindus do mundo, Prambanan é na verdade um complexo que já teve mais de 200 templos e hoje em dia restaram apenas alguns.

O Prambanan foi construído entre os séculos 8 e 10, quando Java estava dividida entre as religiões hindu ao norte e budista no sul. Com o tempo, as duas religiões passaram a conviver e isso se refletiu na mistura de traços budistas e hindus que podemos ver em alguns dos templos.

O Templo Prambanan sofreu danos com terremotos e com a depredação causada por pessoas devido a fanatismo religioso. O complexo principal permanece fechado para restauração, mas dá pra visitar e ver bastante coisa por lá.

Ruínas do Templo Prambanan

Como visitar o Templo Prambanan

Esse templo fica a uns 20 minutos a leste de Yogyakarta e a melhor maneira de visitá-lo é fechando um tour ou indo com um motorista particular. Em ambos os casos você pode combinar a visita ao templo com outras atrações no mesmo dia.

Nós visitamos o Prambanan já no final da tarde, com a intenção de ver o pôr do sol de lá. Mais uma vez, o tempo não colaborou com a gente, mas a visita vale independente disso.

A entrada para o Prambanan é paga e também deve ser comprada com antecedência.

3. Ir até o Monte Merapi

Indonésia é um dos melhores destinos de viagem para quem quer chegar perto de um vulcão. E o Monte Merapi é o mais ativo deles, sendo sua última erupção em 2018. Dizem que o cenário já foi bem verde por ali, mas hoje o que se vê é algo que deve parecer com a superfície da lua.

Hoje em dia é possível fazer uma visita relativamente segura ao vulcão. Embora seja possível fazer um trekking para chegar ao topo, o passeio mais procurado chama-se “Lava Tour”, feito em um jeep.

Yogyakarta
Foto: Stefan Magdalinski / CC BY 2.0

Nós não fomos ao Monte Merapi porque não tínhamos mais tempo em Yogyakarta, e acabamos não priorizando esse passeio pois matamos nossa vontade de vulcão com uma visita ao Monte Bromo e o Vulcão Ijen.

Mas o que nos falaram é que é preciso um pouco de disposição para encarar a viagem, que é uma verdadeira aventura se você considerar o tanto que sacode e pula no jeep.

As principais paradas do tour são: Museu Sisa Hartaku, onde pode-se ver um pouco da destruição causada pelo vulcão em objetos danificados, como uma moto, móveis e até o esqueleto de um boi; Bunker Kaliadem, um abrigo construído para proteção dos que ficaram pra trás; e Alien Rock, uma pedra gigantesca que foi lançada a quilômetros de distância quando o vulcão entrou em erupção.

Para visitar o Monte Merapi é preciso fechar um tour, já que o acesso só é possível com um jeep.

4. Passear pelas ruas de Kota Gede

Kota Gede era uma antiga vila, que foi cercada pela cidade de Yogakarta. O local se mantém famoso por ser um dos principais centros de artesanatos e artes de Yogya, sendo que o forte de lá é a prata.

A sensação é de que estamos andando em um vilarejo dentro da própria cidade.

Kota Gede tem um clima bem gostoso para caminhar pelas suas ruas estreitas, que vão dar em um pátio onde podemos observar artesãos trabalhando ali mesmo nas calçadas e na porta de suas casas, que servem como ateliês.

Muitos turistas aproveitam a visita à Kota Gede para tentar fazer sua própria peça de prata, em um dos workshops oferecidos. Como nem eu nem o Caio temos a menor habilidade, nem tentamos!

5. Visitar o Ratu Boko Palace

Embora alguns se refiram a ele como um Templo, na verdade o Kraton Ratu Boko são ruínas de um palácio onde a Família Real Javanesa já residiu um dia.

Construído no século 8, o palácio tem várias referências hindus e budistas. São 3 templos e algumas cavernas onde monges costumavam meditar.

Há também uns lagos, e as pessoas acreditam que aquela água tem poder de cura. Outra coisa que chama atenção são os dois portões de entrada.

Yogyakarta
Foto: Prayudi Hartono / CC BY 2.0

Há também um restaurante ali, que pode ser uma boa pedida pra sentar e dar uma relaxada para esperar o pôr do sol, se você tiver tempo disponível.

A entrada é paga e o valor se assemelha preço dos Templos Borobudur e Prambanan.

6. Barganhar na Malioboro Street

Quer comprar lembrancinhas de sua viagem pela Indonésia? Aqui é um ótimo lugar! Essa região serve de centro comercial de Yogyakarta desde a era colonial.

Você vai encontrar blusas e bolsas feitas do tradicional batik, além de objetos de decoração e aquelas bugigangas que todo turista gosta.

Tem muita loja e muito vendedor de rua, e pelo caminho você vai encontrar muitas barraquinhas de comida. Não deixe de barganhar, pois às vezes dá pra levar o produto pela metade do preço original.

Nós ficamos hospedados no Sakanti Malioboro Hotel, que ficava super bem localizado e bem ali do ladinho. Nossa programação à noite era dar uma passeada pela Malioboro Street e pelas ruas ao redor.

A melhor forma de explorar essa área é à pé, mas se você quiser pode chamar um becak, que é um triciclo-taxi.

7. Assistir ao Ramayana Ballet

Para quem quer ter uma experiência cultural em Yogyakarta, esse show é imperdível. Um ballet cheio de cores, vários dançarinos e músicos dando vida a esse espetáculo lindo.

Yogyakarta
Apresentação do Ramayana Ballet
Yogyakarta
Apresentação do Ramayana Ballet

Pensei que ia ser um programa turistão daqueles bobos. Sim, é turistão, mas vale demais!

A apresentação acontece todos os dias, podendo ser em uma área externa ou interna (dependendo da época do ano). A apresentação do lado externo tem o Templo Prambanan ao fundo, que fica iluminado e lindo à noite.

Mas adivinha só: no dia que fomos, começou a chover minutos antes do show, que acabou atrasando e rolando na área interna :-/

Na entrada, você pega um folheto explicando mais sobre a história do ballet, que é baseado na história do Rei Rama. Originalmente da Índia, a história se adaptou à cultura, ao estilo e à musica javanesa.

O show costuma começar às 19h30, mas o horário pode mudar dependendo se o show vai rolar na área interna ou externa.

Há também a possibilidade de jantar no local antes do horário do show. Nós chegamos às 18h e encontramos um buffet bem gostoso. Nada de comidas estranhas ou apenas tradicionais, tinha pra todos os gostos. Você pode confirmar preços e horários aqui.

8. Aprender mais sobre a Indonésia no Ullen Sentalu Museum

Esse é considerado o melhor museu da Indonésia, segundo a Lonely Planet. Lá você encontra um acervo grande que mostra desde o Reino Mataram (século 8), um dos reinos mais poderosos da Indonésia quando o Templo Borobudur foi construído, até os templos de hoje.

Esse museu estava na nossa lista, mas infelizmente não tivemos tempo de visitá-lo. Mas li bastante sobre ele e aqui vão algumas informações:

O museu oferece um guia, que acompanha o visitante em um tour pelo museu. Você vai aprender mais sobre a história do batik, além de ver muitos móveis, pinturas e obras de arte. Ao final, é servido um chá no jardim que fica na área externa do museu.

O Museu Ullen Sentalu fica aberto das 8h30 às 16h, ou até às 17h nos fins de semana (fechado às segundas). A entrada é paga.

9. Conhecer o Taman Sari e o Kraton

O Taman Sari, também conhecido como “Castelo das Águas”, é um belo exemplar da arquitetura do século 18, em estilo europeu. O Taman Sari era o jardim do sultanato de Yogyakarta.

Sem dúvidas o que mais chama atenção aqui são as piscinas que ficam no vão central, mas tem mais coisa pra ver ali além disso. O lugar servia como área de descanso, de estudos, de meditação e até esconderijo.

Yogyakarta
Yogyakarta
Piscinas do Taman Sari

Alguns corredores dão acesso à torre do castelo, de onde se tem uma bela vista. Passando pela entrada principal (chamada Gapura Agung), é possível descer e visitar umas catacumbas subterrâneas, que já serviram de bunker durante a guerra.

Yogyakarta
Escadas da Sumur Gumuling

Lá embaixo também encontramos a grande mesquita Sumur Gumuling. Tivemos uma certa dificuldade em achá-la, mas os guias de lá são super atenciosos e nos direcionaram. É só pedir informação.

Ali perto também fica o Kraton, Palácio do Sultão. Aparentemente o lugar é simples, mas também fechamos um guia que nos contou a história super interessante do lugar.

O Sultão e sua família vivem ali, mas uma área do Kraton é aberta ao público. Aprendemos mais sobre as cerimônias que acontecem no local, além de diversas histórias do Sultão e de Yogyakarta.

Yogyakarta
Pátio Principal do Kraton

10. Aprender mais sobre o Batik

Uma das artes mais originais e simbólicas da Indonésia, o batik é feito através de um processo manual envolvendo tecido, cera quente, tintas e tjanting, uma ferramenta de metal utilizada para fazer o desenho.

Não vai demorar muito para você notar que o batik está em todos os lugares da Indonésia, sendo muito usado pelo povo e estando presente em diversas lembrancinhas de viagem.

Yogyakarta
Yogyakarta
A Arte do Batik

Em Yogyakarta há o Museu Batik, com uma coleção de batiks de diferentes estilos e regiões.

Tanto lá como em outros lugares de Yogyakarta você poderá fazer um workshop e criar seu próprio batik, ou melhor, de tentar criar, porque a técnica exige muita experiência!

Nós não visitamos o Museu, mas o guia que nos acompanhou no Kraton nos levou a uma oficina que tinha ali perto. Esse guia era professor de Batik há mais de 30 anos e nos deu belas demonstrações da técnica.

Dica extra: Passear pela floresta em Pinus Pengger

Um destino que não é fácil de encontrar nos roteiros turísticos, mas que faz sucesso entre os indonésios e vale a visita se você quiser curtir a natureza. Pinus Pengger é um parque bem gostoso e com muito verde, e com uma estrutura que certamente vai te render boas fotos.

Yogyakarta
Yogyakarta

Nosso motorista não sabia exatamente onde ficava e acabamos parando em 2 parques pelo caminho, que também eram super agradáveis e bonitinhos.

Do centro de Yogyakarta até lá levamos cerca de 1 hora de carro, e pelo caminho pudemos ir observando mais da vida local e do dia a dia desse povo querido. Valeu o passeio!

Onde ficar em Yogyakarta

Agora que você já viu o que fazer em Yogyakarta, lá vai nossa dica de onde se hospedar. Aliás, foi aqui que encontramos a melhor relação custo x benefício de hotel dos últimos tempos!

Ficamos no Sakanti Malioboro Hotel, que era muito bem localizado, do lado da rua principal chamada Malioboro, cheia de comércios.

Ficava do lado também da estação de trem, que foi um belo adianto pra gente, pois seguimos nossa viagem de trem Surabaya onde alugamos um carro para ir aos vulcões Bromo e Ijen.

Mas o melhor do hotel era o conforto: um quarto gostoso, uma piscina deliciosa pra refrescar no fim do dia, um café da manhã bem honesto e o pessoal mais simpático de Yogyakarta trabalhando lá.

Como se locomover por Yogyakarta

Nós éramos 4 pessoas e, nesse caso, quase sempre é melhor alugar um carro e dividir os custos. Vimos que alugar um carro com motorista era super vantajoso e foi essa nossa opção, que recomendo.

Para distâncias curtas, você pode pegar um becak (triciclo). Os taxis funcionam bem (rola aquela confusão de taxistas em cima de você na chegada do aeroporto, mas tudo bem), e para alguns lugares também é possível ir de ônibus, como para o Templo Prambanan por exemplo.

Garanta uma viagem segura

Para viajar tranquilo e sem dor de cabeça, não se esqueça também de fazer seu seguro viagem! Já precisamos de atendimento médico durante nossa viagem pelo sudeste asiático e felizmente tínhamos o seguro para cobrir as despesas. 

Sugerimos sempre fazer uma busca acessando a nossa página de seguros, por lá você consegue comparar preços entre todas as seguradoras confiáveis. E você ainda pode garantir até 10% de desconto usando o nosso código EMALGUMLUGAR5 (5% com o cupom + 5% com pagamento via boleto bancário).

Coloque Yogyakarta em seu roteiro pela Indonésia e boa viagem!

Esse post pode conter link de afiliados. Isso significa que, ao fazer uma reserva a partir desses links, você ajuda a manter nosso blog e não paga nada a mais por isso. Nós agradecemos seu apoio!

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento. Sempre confirme datas, preços e informações.


Escrito por Adriana

37 anos. Carioca. Colecionava carimbos no passaporte durante as férias, mas resolveu levar esse hobbie a sério. Jornalista, trabalhou com marketing por um bom tempo, mas deixou o mundo corporativo para viver uma vida com mais significado. Convenceu o Caio a se jogar no mundo e hoje se dá por satisfeita carregando um caderninho, uma câmera e um tapete de yoga.

Quer saber como viajar mais por menos?

Receba agora so seu e-mail nosso guia gratuito: são 40 dicas imperdíveis para colocar em prática já na sua próxima viagem!

Indonésia: explore

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos no Instagram

CONHECE O MIRANTE DA CABOCLA? 📷 Esse é o Mirante da Cabocla, um dos mirantes mais bonitos de Arraial do Cabo. Do alto se vê a Praia do Forno, a Praia dos Anjos e, de longe, a Praia do Farol. 👣 Você acessa o Mirante por uma trilha que começa na Prainha, passa pela Praia da Graçainha, pelo Mirante da Cabocla e termina na Praia do Forno. 👉 Vale lembrar que é extremamente recomendado fazer qualquer trilha da região acompanhados de um guia local.

⛴️ IMAGINA UM BARCO DENTRO DE UMA PISCINA!Foi exatamente o sentimento que  tivemos nesse dia. Mar calmo, quase sem vento e uma água que parecia ter sido tratada que nem a de piscina!Esse talvez tenha sido um dos dias de mar mais bonito que já pegamos em Arraial do Cabo 💙Saudade desses passeios @arraialvipturismo !

SAUDADE DE IR A PRAIA, NÉ MINHA FILHA?Assim que abrirem as praias vamos ficar o dia inteiro com a Sol na água brincando! 🐕Esse é o dog que a gente sequestrou do pai da Dri pra fazer a quarentena ficar mais leve!

NAUFRÁGIO EM ARRAIAL DO CABO? 🚢Com o vai e vem das marés, em algumas épocas do ano é possível ver a embarcação Imbetiba, que naufragou no canto da Praia Grande em 10 de setembro de 1881.O naufrágio passa a maior parte do tempo encoberto. Ele fica ali bem pertinho da areia, do lado esquerdo da praia. E é possível avistá-lo principalmente quando a água está bem clara e com a maré baixa.

FELIZ DIA DOS NAMORADOS!Para ela que é a melhor companhia que eu poderia ter para viver a vida que a gente sonha juntos!Esse é o nosso sexto dia dos namorados juntos. E apesar de tudo que está acontecendo no mundo, eu continuo dizendo que o nosso mundo é o melhor lugar no mundo!
Feliz dia dos namorados a todos os casais que se amam ♥️

X

JÁ BAIXOU NOSSO E-BOOK GRATUITO?

Inscreva-se agora e receba no seu e-mail nosso e-book: são 40 dicas de como viajar mais e melhor por menos!