O que fazer em Cunha, SP: atrações imperdíveis + dicas de viagem | Em Algum Lugar do Mundo

O QUE FAZER EM CUNHA: ATRAÇÕES IMPERDÍVEIS + DICAS DE VIAGEM

Com colinas e montanhas formando a paisagem bucólica e charmosa de Cunha, é difícil não se apaixonar pelo clima tranquilo da cidade. Confira as melhores dicas de passeios, hospedagens e muito mais para você aproveitar ao máximo essa joia do interior paulista!

  • Adriana
  • -
  • 4 de novembro de 2020
  • Nenhum Comentário

Quer viajar mais por menos?

Inscreva-se agora e receba no seu e-mail nosso e-book: são 40 dicas já para a sua próxima viagem!

Conhecida por seus ares de cidade interiorana, Cunha oferece uma ótima estrutura turística. A natureza do Vale do Paraíba invade a paisagem dos restaurantes, bistrôs charmosos, pousadas no alto da serra e trilhas por cachoeiras e parques preservados. E se você está planejando uma viagem para esse destino, confira tudo o que fazer em Cunha.

O que fazer em Cunha: Lavandário
O Lavandário é uma das principais atrações em Cunha.

E para planejar seu roteiro, separei dicas imperdíveis para você curtir os melhores passeios de Cunha e aproveitar ao máximo sua viagem. Vem ver! 

Confira também: 

Saiba mais sobre Cunha 

Famosa por seu clima de serra mesclado com a calmaria de uma cidade do interior paulista, Cunha está no encontro das serras da Quebra-Cangalha, Bocaina e do Mar, a 1010 metros de altitude. Imagine só a paisagem! 

Fundada em 172, na região que na época colonial era conhecida como Facão, funcionou como a última parada dos tropeiros que passavam pela Estrada Real antes de chegar ao porto de Paraty.

Com grande parte de seu desenvolvimento graças ao caminho do ouro, atrações históricas fazem parte dos pontos turísticos de Cunha. 

Hoje intitulada como Estância Climática de Cunha pelo Governo Estadual, conta com uma área urbana super charmosa, com aquela típica tranquilidade e clima familiar de cidades menores. Curiosidade: Cunha não conta com um único semáforo! 

Além disso, a cidade de Cunha é lar de diversas festas culturais, como o Festival de Verão, Festa do Pinhão, Festival de Inverno, Festival Gastronômico do Cordeiro, Natal Luz e o conhecidíssimo Festival de Cerâmica. 

Com uma grande reserva de Mata Atlântica, você vai curtir muito passeios em Cunha meio à natureza, como cachoeiras, trilhas por caminhos históricos e até mesmo áreas de camping no pico de colinas. 

Outra curiosidade bem legal é o fato de Cunha ser considerada a terra dos ceramistas, dos fuscas e concentrar a maior produção de pinhão do Brasil. 

Onde fica Cunha 

Na divisa dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Cunha está no alto do Vale do Paraíba – a apenas 230 km da capital paulista e a 300 km do Rio. 

Além disso, Cunha é bem próxima de outras cidades super visitadas por turistas, como Paraty (a cerca de 46 km), Ubatuba (a 116 km) e Angra dos Reis (a 141 km). 

Como chegar em Cunha 

Tanto aqueles que saem da capital paulista como da carioca conseguem chegar em Cunha de carro ou ônibus. Confira a seguir os caminhos: 

Precisa alugar um carro? A gente sempre dá uma olhadinha no Rentcars, um site que compara preços de aluguel e sempre nos mostra os melhores valores. Ainda tem a facilidade do pagamento parcelado em até 12x. 

De carro 

Saindo do Rio de Janeiro | a viagem dura cerca de 4 horas, com aproximadamente 300 km. O trajeto é feito pela Via Dutra até Guaratinguetá, e a partir de lá, é necessário seguir a SP-171 até Cunha. O caminho conta com dois pedágios. 

Saindo de São Paulo | sem trânsito, o caminho leva aproximadamente 3h30. O trajeto conta com cerca de 230 km, e é feito pela SP-70 (sistema Ayrton Senna e Carvalho Pinto), seguida da BR-116. Após isso, é só sair no km 65 da BR-116 e pegar a SP-171, com direção a Guaratinguetá e Paraty. A entrada para Cunha fica no km 46 da SP-171. O caminho possui quatro pedágios. 

De ônibus 

Saindo do Rio de Janeiro | A viagem dura em torno de 6h30 e exige baldeação. Partindo da rodoviária Novo Rio, pegue um ônibus da Viação Sampaio até Guaratinguetá, com 4h20 de viagem e passagens de R$50 a R$80. Depois, mais uma hora de viagem de Guaratinguetá até Cunha, com os ônibus da Viação São José e passagens em torno de R$16. 

Saindo de São Paulo | Também com baldeação no meio do trajeto, leva em torno de 4h45. Do Terminal Tietê até Guaratinguetá, a viagem dura 2h45, custa de R$40 a R$70 e é feita tanto pela Viação Cometa ou Pássaro Marron. E de Guaratinguetá até Cunha, mais uma hora de viagem, com passagens de R$16. 

Como circular em Cunha 

centro de Cunha concentra várias pousadas e hotéis, além de restaurantes, barzinhos e outras atrações turísticas. E por lá, a circulação pode ser feita tranquilamente a pé. 

Porém, outros pontos turísticos (de natureza principalmente), hospedagens na serra e até mesmo restaurantes, ficam mais afastados da região central. E o acesso é feito principalmente pela SP-171, que liga Cunha a Paraty. 

Dessa forma, podemos dizer que ir de carro até Cunha é uma das melhores formas para conhecer a maior parte das atrações, já que a cidade não conta com ônibus municipais que façam o trajeto. 

O serviço de táxi não costuma ser muito utilizado pelos turistas e quando é, não recebe tantos elogios. Além disso, saiba que a cidade não conta com motoristas de aplicativos de transporte disponíveis para circulação. 

Melhor época para ir a Cunha 

inverno e outono são períodos bem movimentados. Com as temperaturas mais baixas e sendo a época dos principais festivais da cidade (como o do Pinhão e do Cordeiro), é uma época boa para uma típica viagem romântica. 

Já o verão conta com um pouco menos de movimento, sendo uma boa época para aproveitar mais as cachoeiras e trilhas. Porém, oferece o risco de chuva em grande parte dos dias. 

Os meses de abril e outubro oferecem temperaturas agradáveis, movimento bem mais tranquilo nos passeios em Cunha e menos risco de chuva para atrações como cachoeiras e trilhas. 

Para pegar os campos de flores bem vivos, vá na primavera. Com temperaturas gostosas e poucas chuvas, você vai encontrar o clima propício para a realização de trilhas. 

E caso você planeje ir a Cunha em algum feriado nacional, prepare-se para enfrentar as atrações bem lotadas – principalmente os ateliers de cerâmica que realizam a abertura dos Fornos Noborigama, mostrando as novas peças. 

Quantos dias ficar em Cunha 

Um final de semana já consegue dar conta de um roteiro passando pelo mais básico do destino sem pressa, focando mais nas atrações da região central. 

Mas para estender os passeios a outros cantinhos da cidade de Cunha, e também poder curtir as cachoeiras, trilhas e parques, reserve uns cinco dias para a viagem. 

Geralmente, o roteiro mais feito pelos turistas que passam por Cunha é em torno de dois a três dias, englobando finais de semana e feriados. 

Onde ficar em Cunha 

Cunha conta com uma boa variedade e quantidade pousadas e hotéis. Oferece desde aquelas menores e com poucos chalés até as mais sofisticadas e com acomodações em meio às montanhas. 

As hospedagens estão localizadas principalmente no centro da cidade, na área rural e em espaços próximos a rodovia SP-171. 

No centro de Cunha, a grande vantagem está no fato da proximidade e fácil acesso a diversos comércios, restaurantes e outros serviços. 

Já na área rural da cidade, o perfil dos hotéis e pousadas é mais puxado para dias tranquilos cercados por natureza. Apesar de estarem mais distante do centro, contam com mais estrutura, conforto e sofisticação. 

Separamos para você as melhores dicas de hospedagem em Cunha: 

Pousadas próximas ao centro de Cunha 

Recanto Roça Grande – $$ | a 5 km do centro, oferece um ambiente simples e acolhedor. Para completar, conta com um lounge para relaxar e café da manhã completíssimo. A partir de R$250

Pousada Recanto dos Pássaros – $ | a apenas 800 m da entrada da cidade e a 3 km do centro de Cunha, possui um clima bem familiar, em um ambiente com muita natureza e delicioso café da manhã. A partir de R$180.

Pousada Campestre – $$ | ótima opção para viagens em família, a apenas 5 km do centro. Muito contato com a natureza e super elogiada por sua hospitalidade. A partir de R$250.

Pousada Colar de Ouro – $$$ | com quartos de frente para as montanhas, oferece um ótimo café da manhã. Além disso, possui também terraço e piscina ao ar livre. A partir de R$350.

Pousada Cheiro da Terra – $$$ | localizada a 1,5 km do centro e com vista para as montanhas, oferece chalés super bem equipados, restaurante com café da manhã e área verde de 20 mil m². A partir de R$460.

Pousadas e hotéis na zona rural de Cunha 

Restaurante e Pousada São Miguel – $$ | a 25 km do centro e a apenas 2 km do Parque Estadual da Serra do Mar, é boa para relaxar e entrar em contato com a natureza. Oferece chalés rústicos e restaurante com café da manhã. A partir de R$280.

Pousada Sotaque Mineiro – $$ | possui o diferencial de acomodações em chalés rústicos com dois ambientes, a 15 km do centro. Além disso, oferece café da manhã, sala de jogos, redário e piscinas adulto e infantil. A partir de R$340.

Hotel Fazenda São Francisco – $$$ | a 18 km do centro, é sinônimo de natureza. Possui cachoeira privativa, piscina, atividades ao ar livre, spa, fazendinha, lago, trilhas e muito mais. A partir de R$480.

Pousada Candeias – $$$ | um lugar relaxante e tranquilo a 14 km do centro. Conta com 200 mil m² de área verde, englobando trilhas, piscina, pomar, bosques de araucárias e também acomodações muito confortáveis. A partir de R$480.

Veja também: As melhores dicas de hospedagem em Cunha.

O que fazer em Cunha: atrações imperdíveis 

O charme típico da cidade também se reflete nas atrações turísticas. A natureza serrana estará presente em grande parte dos seus passeios em Cunha, seja nas paisagens de trilhas, cachoeiras e restaurantes. É bem difícil não se deixar apaixonar e levar pela atmosfera interiorana do destino. 

Subindo e descendo caminhos que passam por áreas preservadas de mata atlântica ou até por trajetos históricos da Estrada Real, eu te garanto que você vai conseguir se divertir e relaxar em Cunha! 

Entre visitas a cachoeiras e campos de flores, vem conferir essa lista com os principais pontos turísticos de Cunha: 

1. Estrada Cunha-Paraty 

Com um dos trajetos mais cenográficos do país, a Estrada Cunha-Paraty é um dos símbolos do turismo em Cunha. Possui 49 km de extensão, com 9,4 km dentro do Parque Nacional da Serra da Bocaina

Reinaugurada em 2016 após obras e restaurações, ela é a continuação da SP-171, que vai de Guaratinguetá até o Rio de Janeiro. 

Ao longo do caminho, é possível ver paisagens de áreas preservadas, cachoeiras e até mesmo observar animais silvestres circulando através de passarelas aéreas e subterrâneas. Vale a pena fazer algumas paradas pela estrada para tirar fotos, as vistas são incríveis! 

Junto com a beleza natural, a Estrada Cunha-Paraty concentra também grande parte das atrações de Cunha, como o Lavandário (no km 54,7), Parque Estadual da Serra do Mar (no km 56,2) e a Pedra da Macela (no km 66). 

Atenção | a estrada é de pista única e possui curvas bem acentuadas em alguns pontos. Além disso, o trecho que passa pelo Parque Nacional da Serra da Bocaina fica fechado para trânsito diariamente entre às 17h30 e 7h, para não atrapalhar o descolamento de animais. E neste trecho, a velocidade máxima permitida é de 20 Km/h

Como chegar | a entrada para a Estranha Cunha-Paraty se dá no km 65 da Rodovia Presidente Dutra. 

2. Pedra da Macela 

Também conhecida como “Pico da Macela”, é o ponto mais alto de Cunha, com 1840 m de altitude. De lá do alto, é possível avistar Paraty, Angra dos Reis e até mesmo Ilha Grande.  

É um programa para a família toda e pode ser feito de forma autoguiada. Ao longo da trilha até o pico, é possível observar paisagens incríveis do Parque Estadual da Serra do Mar

Pousadas em Cunha: Pedra Macela
Parque Estadual da Serra do Mar e ao fundo, a baía de Angra dos Reis. Foto: Rafael Defavari / CC BY-SA 4.0

Podemos dizer que o outono e inverno são as melhores épocas para ir a Pedra da Macela – com menos risco de chuvas, é possível ver a vista mais limpa. Porém, prepare-se para enfrentar a trilha um pouco mais lotada. 

Fora de temporada, a chance de chuvas aumenta, dificultando pegar dias sem nuvens no pico. 

Além disso, a Pedra da Macela conta com duas áreas de camping, uma à direita da trilha e outra próxima ao mirante, localizado no topo da montanha. 

Não há nenhuma estrutura de turismo no local – você encontrará apenas um ponto para beber água ao longo do caminho. Então não esqueça de levar comidinhas, protetor solar, água e algum tipo de agasalho, para se proteger dos ventos. 

Como chegar o bairro da Macela pode ser acessado por uma saída à esquerda do km 66 da Estrada Cunha-Paraty. Até a entrada para a trilha que dá acesso ao pico, é necessário pegar uma estrada de terra de aproximadamente 4 km.  

3. Lavandário 

Lavandário de Cunha é um dos lugares mais imperdíveis na hora de pensar sobre o que fazer em Cunha. Com mais de 40 mil pés de diversas espécies de lavanda. Ele foi inaugurado em 2013 e está em um terreno a 1200 m de altitude, com ampla vista para as montanhas do Vale do Paraíba. 

Graças a um sistema de plantio e poda rotativo, seus campos ficam floridos durante o ano todo. Porém, com as flores mais abertas, o outono e a primavera são as melhores épocas para visitar o local.

O que fazer em Cunha: Lavandário
O Lavandário garante vistas incríveis. Foto: Monalisa Duarte dos Reis / CC BY-SA 4.0

Dica | para pegar as flores mais roxinhas, vá mais para o começo da manhã. E para evitar a lotação, evite passar por lá no final da tarde. 

Se bater aquela fome, o Lavandário possui uma lanchonete localizada em um casarão provençal e com vista panorâmica para as montanhas. Oferece café, lanches, petiscos e comidas artesanais preparadas a partir da própria lavanda. Não deixe de provar os bolos e sorvetes de lavanda! 

O local também conta uma loja que vende óleos essenciais, sabonetes, shampoos, cremes, artesanatos, velas e azeites. 

E se você deseja conhecer ainda mais sobre o processo de cultivo das flores, é possível participar do Vivências entre Lavandas. O programa possui o objetivo de ensinar a plantar e podar mudas, além de mostrar como ocorre a destilação do óleo essencial. Porém, devido a pandemia do novo coronavírus, está temporariamente suspenso. 

E para ficar ainda melhor, o Lavandário conta com um espaço destinado a massagens, divididas em quatro modalidades. Com duração indo de 20 a 45 minutos e preços variando de R$60 a R$220, são feitas aos sábados e domingos, com reserva prévia feita pelo site ou loja física da plantação. 

O Lavandário está aberto das 10h até o pôr-do-sol, de sexta a domingo e feriados. Para entrar, é necessário pagar um valor na portaria de R$15 por pessoa. Porém, maiores de 60 anos pagam apenas R$7 e crianças de até 12 anos não pagam. 

Como chegar | O Lavandário está a 8 km do centro de Cunha, e seu acesso pode ser feito pelo km 54,7 da Rodovia SP-171. Três áreas de estacionamento são disponibilizadas, duas junto à portaria e outra no topo da plantação, dando preferência para pessoas com deficiência, idosos, gestantes e indivíduos com crianças de colo.  Até o topo, há uma subida íngreme de 50 m. 

4. Parque Estadual da Serra do Mar 

Criado em 1977, o Parque Estadual da Serra do Mar possui a maior porção contínua preservada de Mata Atlântica do Brasil. Com 332 mil hectares, percorre 25 municípios do estado de São Paulo. 

Marcado por muita biodiversiade, conta com mais de 1300 espécies de animais e aproximadamente 1200 tipos de plantas. Se divide em oito núcleos: Picinguaba, Caraguatatuba, São Sebastião, Santa Virgínia, Curucutu, Itutinga-Pilões, Itariru e Cunha.

O que fazer em Cunha: Parque Estadual da Serra do Mar
Entrada do núcleo Cunha no Parque Estadual Serra do Mar. Foto: Fe Hirata / CC BY-SA 3.0

Núcleo de Cunha está no extremo norte do Parque, a mais de mil metros de altitude. A cerca de 25 km do centro da cidade, é ótimo para curtir um banho de cachoeira e fazer trilhas, com cinco opções diferentes. 

Aberto das 8h às 16h, de quarta a domingo, cobra um ingresso de R$16 para visitantes que não são de Cunha. Aos sábados, domingos e feriados prolongados, os guias – que são obrigatórios para algumas das trilhas – estão disponíveis gratuitamente no parque. 

Não esqueça também de levar algo para comer e beber, já que o parque não conta com lanchonete ou outra estrutura do tipo. 

Atenção | algumas medidas foram adotadas para controlar a visitação: é necessário acessar o site e fazer o agendamento da visita com 24h de antecedência. O pagamento do ingresso também é feito no próprio site, pois não estão sendo vendidos na portaria do parque. 

Como chegar o acesso até o Núcleo Cunha do Parque Estadual da Serra do Mar é feito pelo km 56,2 da Rodovia Paulo Virgínio. Siga a placa à direita que leva até a Estrada de Paraibuna, com cerca de 20 km até a entrada do parque. 

5. Contemplário 

Contemplário é mais um dos passeios em Cunha que faz sucesso. Assim como o Lavandário, aqui você vai encontrar uma atmosfera provençal criada pelos campos de lavanda.  

Por lá, é possível passear pelos campos de lavanda, fazer piqueniques e até mesmo tomar um cafézinho da tarde com vista panorâmica das montanhas. 

O local é dividido em duas partes: uma onde é permitido circular entre as plantas, e outra com uma subida para o topo da plantação, onde se pede para não caminhar entre as lavandas. 

O Contemplário também conta com uma loja, onde são vendidos artesanatos, produtos fabricados a partir da lavanda e outras mercadorias típicas de Cunha. 

Sua entrada é gratuita e está aberto das 10h às 18h, de quinta a domingo, e fechado nas terças e quartas. 

Como chegar | o Contemplário está no bairro Taboão, mais precisamente no km 61,5 da Rodovia Vice Pref. Salvador Pacetti. A entrada para o parque fica no lado direito da pista. 

6. Cachoeiras em Cunha 

As cachoeiras em Cunha fazem parte da riquíssima natureza que engloba a cidade. Além de oferecem paisagens incríveis, são ótimas para se divertir e tomar um bom banho. 

Com quedas d’agua não tão altas e radicais, você vai encontrar diversos cantinhos para bater aquela foto perfeita com a cachoeira como pano de fundo. 

Conheça algumas das melhores cachoeiras em Cunha

Cachoeira do Pimenta 

Cachoeira do Pimenta é a mais visitada pelos turistas, com uma altura total de 90 m. 

Herança da antiga hidrelétrica que atendia a região, possui algumas quedas d’água. E podem ser vistas por uma trilha de dificuldade média que atravessa toda a cachoeira. 

Uma grande piscina natural é formada em sua base, perfeita para relaxar e dar uns bons mergulhos. Os turistas por lá também costumar fazer churrasquinhos embaixo das sombras das árvores.  

A estrutura turística é relativamente boa: tem banheiro, lanchonete, deck para observação e o Museu de Energia, que conta a história do desenvolvimento da energia elétrica da cidade. 

Porém, se você busca uma cachoeira mais para relaxar e com um clima tranquilo, essa não é uma boa opção. Nos dias mais quentes, a movimentação é intensa e conseguir alguma vaga no estacionamento é bem difícil. 

Como chegar | para chegar até a cachoeira, é necessário pegar a Estrada do Monjolo, com cerca de 10 km e que pode ser percorrida em meia hora. É estreita, de subidas e descidas íngremes e com algumas partes asfaltadas, mas que não estão em boa conservação. 

Cachoeira do Desterro 

Cachoeira do Desterro está localizada dentro de uma propriedade particular, mas sua visitação é totalmente gratuita. Com 12 m de altura, possui 2 quedas d’água. 

A apenas 10 minutos da Cachoeira do Pimenta, possui um clima bem mais tranquilo, com menos movimento. 

Com uma trilha que oferece acesso para seus diversos níveis, pode ser observada a partir de vários ângulos diferentes. 

O lago é ótimo para banho e mergulho, mas saiba que suas águas são um pouco mais geladas. Sua beira é perfeita para sentar e relaxar observando a paisagem. 

Como o movimento por lá é mais reduzido, o local não conta com estrutura turística – então não esqueça de levar água e comida para o passeio. 

Como chegar | o mesmo caminho que dá acesso à Cachoeira do Pimenta é feito para chegar até a Cachoeira do Desterro: a Estrada do Monjolo. É só seguir as placas turísticas que indicam à Cachoeira do Pimenta. Ao total, o trajeto possui 9,7 km, sendo 2 km de estrada asfaltada e mais 6,4 km pela estrada de terra principal. 

A entrada é em uma porteira, e a partir dela, é possível encontrar a área que serve como estacionamento. Por fim, uma trilha de 300 m é feita para chegar até a cachoeira em si. 

Cachoeira do Mato Limpo 

Em comparação com as outras duas cachoeiras, a Cachoeira do Mato Limpo é considerada mais como “de passagem”. 

Com uma pequena queda d’água, de 15 m de altura, não é tão boa assim para banho ou para passar a tarde toda.

O que fazer em Cunha: Cachoeira Mato Limpo
Cachoeira do Mato Limpo e sua queda de 15 metros. Foto: Diego Torres Silvestre / Flickr.

Os turistas geralmente estacionam o carro a poucos metros e só molham os pés na água, ou dão um mergulho bem rápido. 

É um bom passeio para aliar com a visita à Pedra da Macela, que está a cerca de 8 km. 

Como chegar | a Cachoeira do Mato Limpo está na margem direita da Estrada Cunha-Paraty, no sentido de quem vai de Cunha a Paraty. O acesso é feito pelo km 67 da estrada. 

Canto das Cachoeiras 

Canto das Cachoeiras é na verdade um ecoparque, repleto de atrações e passeios entre a Mata Atlântica. 

Possui diversas trilhas, mirante e, claro, diversas cachoeiras para conhecer e se aventurar. Outro cantinho muito amado é o dos redários à beira do rio, mas devido à pandemia do novo coronavírusestá temporariamente fechado. 

No restaurante da propriedade, o clima é bem caipira e familiar. O café da manhã em estilo colonial é o destaque, servido todos os sábados e domingos, das 8h30 às 10h30, e apenas com reserva prévia. 

Além disso, o almoço também não dispensa os temperinhos e gostos da fazenda, bem típico da cidade de Cunha. 

O funcionamento do parque é das 9h às 17h, de quinta a segunda-feira. E para entrar, é necessário pagar um valor de R$10

Como chegar | o Canto das Cachoeiras está situado no km 2,5 da Estrada Municipal do Paraibuna. Mais precisamente no Portão Cunha. 

7. Trilhas em Cunha 

Nos caminhos feitos pelas trilhas de Cunha, as paisagens não poderiam ser melhores: trechos e porções preservadas de Mata Atlântica da Serra da Bocaina e Serra do Mar. 

Em Cunha você encontra trilhas de diferentes níveis para agradar a todo tipo de turista – desde aqueles que curtem trajetos mais radicais e de dificuldade mais avançada, até aqueles que preferem caminhos mais contemplativos e tranquilos de se fazer. 

Mas independente do nível de trilha que você escolher, saiba que vistas e experiências incríveis com certeza farão parte do passeio! 

Separamos algumas dicas das melhores trilhas para se fazer em Cunha: 

Trilha para a Pedra da Macela 

Junto com a vista que se tem no topo da Pedra da Macela, a trilha de subida é outra atração do passeio.  

Com cerca de 2,4 km por uma estrada asfaltada, são 45 minutos de trajeto consideravelmente íngreme, de nível intermediário. Dá para cansar – e bastante – as pernas.

O que fazer em Cunha: Vista Pedra Macela
Vista do alto da Pedra Macela. Foto: Natanael-siqueira / CC BY-SA 3.0

Uma dica é se programar para fazer a trilha durante a madrugada para ver o nascer do sol no mar. Pense em uma paisagem inesquecível! 

outono/inverno são as melhores épocas para se fazer a trilha. Com menos risco de chuvas, a vista fica mais limpa e o trajeto pode ser feito de forma mais segura. 

Como não conta com nenhuma estrutura ao longo do caminho, não se esqueça de levar todos os equipamentos necessários para uma boa trilha: água, repelente, comida, protetor solar, agasalho, etc. 

Trilhas no Parque Estadual da Serra do Mar 

A grande atração do Núcleo de Cunha do Parque Estadual da Serra do Mar são suas trilhas. Tem diferentes opções, todas com cenários incríveis:

Trilha das cachoeiras | com 14,5 km de extensão, passa por quatro quedas d’água e leva cerca de 3h30 (ida e volta). Metade do caminho pode ser feito de carro e outra metade de bicicleta ou a pé. Nesse caso, é obrigatório o acompanhamento de um guia. 

O que fazer em Cunha: Cachoeiras
Uma das cachoeiras na trilha no Parque Estadual Serra do Mar. Foto: Fe Hirata / CC BY-SA 3.0

Trilha do Rio Paraibuna | sem necessidade de um guia, pode ser feita em 50 min, com 1700 m de distância. O caminho é circular, passando por três cachoeiras ótima para banho. Uma boa opção para famílias! 

Trilha do Rio Bonito | apesar de ser a mais tranquila, necessita de um guia para ser feita. Ao longo de seus 7,6 km de extensão, é possível observar diversos animais silvestres e apreciar a famosa Cachoeira da Laje. 

Trilha de arapongas | ótima para ser feita de bicicleta, principalmente para aqueles que curtem o estilo “Mountain Bike”. Contando as paradas ao longo do caminho, dura em torno de 3h e, levando em consideração a ida e volta, possui 12,4 km de extensão. 

Caminho das Vivências | uma novidade do parque, inaugurada em janeiro de 2020. Com um percurso de apenas 50 m e que leva meia hora, é feita com olhos vendados e pés descalços. Guiada por monitores, envolve uma experiência sensorial, passando por cachoeiras, rio e árvores centenárias. 

8. Cervejaria Wolkenburg 

Que tal uma cervejinha na hora de planejar o que fazer em Cunha? Localizada naquele cenário aconchegante das montanhas, a Cervejaria Wolkenburg oferece uma experiência única para os apreciadores de uma boa cerveja artesanal na cidade de Cunha. 

Sua produção é elaborada segundo a Lei de Pureza Alemã de 1516, que determina a utilização apenas de cevada maltada, lúpulo e água na elaboração da bebida. A distribuição é mais regional, com cerca de 3 mil garrafas produzidas mensalmente. 

Com um clima bem familiar, oferece um passeio gratuito com degustações, explicações sobre a fabricação e fermentação das cervejas e até mesmo conversas com o mestre cervejeiro. Para completar a experiência, é possível levar kits ou escolher as cervejas para tomar por lá.  

O local também conta com uma lojinha, na qual é possível comprar canecas, taças, camisetas e as próprias cervejas. 

Divididas em quatro variedades – Wolkenburg Fit, Wolkenburg Helles, Wolkenburg Landbier e Wolkenburg Dunkel – custam em torno de R$16

As visitações e degustações ocorrem somente aos sábados, domingos e feriados das 11h às 17h. 

Como chegar | para chegar à cervejaria, é só pegar a saída no km 65 na Estrada Cunha-Paraty. Após isso, é necessário passar pela mesma estrada usada para acessar a Pedra da Macela. Possui cerca de 2 km e não é pavimentada. 

9. Capela de São José da Boa Vista 

Fundada em 1724, a Capela de São José da Boa Vista é uma das mais bonitas e charmosas atrações históricas de Cunha. 

A mais de mil metros de altitude, ela oferece uma vista incrível para a cidade e para as montanhas. Fato que justifica a “Boa Vista” em seu nome. 

Sua importância história reside no fato de ter sido, originalmente, o local onde ocorria o pouso das tropas de exploradores que vinham de Paraty

Mesmo sendo modificada ao longo dos anos, não perdeu seu charme e beleza! 

Como chegar | a 6 km da entrada da cidade, a capela está localizada no km 53,5 da Estrada Cunha-Paraty. Até o topo do morro onde está a capela, há um caminho asfaltado. 

 10. Fazenda Aracatu 

Fazenda Aracatu é um espaço que engloba sorveteria, empório, queijaria, cafeteria e até mesmo antiquário. Com uma decoração simulando o clima de fazenda, é um passeio perfeito para aproveitar a tarde toda em Cunha. 

O que não falta por lá é natureza. Sua área externa é repleta de hortênsias, araucárias e taboas –  além de uma varanda com cadeiras de madeira e poltronas perfeitas para relaxar. 

O café da tarde é o grande destaque: é possível aproveitar delícias preparadas diretamente no fogão à lenha, como o cobiçadíssimo bolo de pinhão. 

E enquanto toma aquele cafézinho passado no bule, não deixe de passar no empório, queijaria e sorveteria, com mais de 30 sabores diferentes de sorvete. 

Além de tudo isso, a Fazenda Aracatu oferece degustação de pães, queijo, doces artesanais, e um café da manhã bem de fazenda. 

Dica | vá no verão para pegar o festival especial de sorvetes que rola por lá. Eles oferecem mais de 15 sabores diferentes feitos a partir de diversas frutas. 

O funcionamento é das 9h às 17h, de segunda a sexta, e das 8h às 19h, aos sábados, domingos e feriados. 

Como chegar | a Fazenda Aracatu está localizada no km 56 da Rodovia SP-171. 

11. Moara Café 

Outro cantinho perfeito para tomar um bom café da tarde ou café da manhã. Com uma decoração charmosa e área externa ótima para relaxar, o Moara Café é uma das paradas obrigatórias da cidade de Cunha. 

Seu interior conta com uma grande loja com diversos tipos de produtos: artesanatos e mercadorias locais, quadros, almofadas, porta-retratos, souvenirs e até mesmo livros e discos de vinis usados. 

Além da variedade de produtos sendo vendidos, não podemos deixar de ressaltar a cafeteria do local, que oferece tortas e doces deliciosos. 

Está aberto diariamente das 9h às 18h. 

Como chegar | está localizado no km 57 da Estrada Cunha-Paraty. 

 12. Olival 

A 1260 m de altura, o Olival e seu campos de oliveiras proporcionam uma das melhores experiências gastronômicas em Cunha. 

Em uma área de 4,2 alqueires, os campos de oliveiras contam com mais de 1300 pés. Cercados pela Serra do Mar, estão ainda na fase inicial de produção. 

Caminhando pela propriedade, você irá se deparar com hortas, estufas e até mesmo uma fazendinha com animais. 

Para conhecer um pouco mais sobre os campos de oliveiras, o Olival oferece visitas guiadas. Com duração de cerca de meia hora, são feitas aos sábados, domingos e feriados, e custam em torno de R$15 por pessoa. Para consultar e reservar outros horários, confira o site do local. 

Juntamente com as visitas guiadas, também há a análise sensorial de azeites. Envolve degustação e explicações sobre os diferentes tipos de azeite. O passeio leva em torno de 1h30, custa R$25 e é feito aos sábados e domingos, às 11h e 16h

A experiência se completa no restaurante, que serve café da manhã, almoço e jantar no estilo customizado. Com pratos super sofisticados, o cardápio engloba ingredientes produzidos artesanalmente no próprio local. 

Além disso, o Olival também conta com um empório e cafeteria vendendo diversos doces. 

O funcionamento é das 10h às 17h, de quinta a segunda. 

Como chegar | o Olival está no bairro Aparição, a 13 km do centro de Cunha. Seu acesso é feito a partir do km 58,3 da Estrada Cunha-Paraty. A entrada está à esquerda para quem transita no sentido Cunha – Paraty. 

13. Ateliês de Cerâmica 

Cunha é considerada com um dos mais importantes polos de arte cerâmica do Brasil e da América do Sul. Chamada por muito como “capital da cerâmica”, possui cerca de 17 pontos dedicados a produção de peças artísticas e utilitárias. 

Mesclando tradições orientais e indígenas-ibéricas na confecção e identidade das peças, é possível encontrar todo tipo de obra. E na sua grande maioria, delicadas e inovadoras. 

O grande destaque da cerâmica da cidade gira em torno do Forno Noborigama, introduzido em Cunha em 1975. Os seis fornos que estão em atividade na cidade utilizam a técnica de tradição milenar oriental de queimar as cerâmicas à lenha durante 32 horas, a cerca de 1400 graus. 

Fundamental no turismo em Cunha, o roteiro pelos ateliers de cerâmica pode ser considerado como um passeio que é cartão postal da cidade.  

Ficou curioso? Então confira essa lista com alguns dos ateliers de cerâmica de Cunha indispensáveis de uma visita: 

Suenaga & Jardineiro 

Fundado e administrado pelos ceramistas Kimiko Suenaga e Gilberto Jardineiro, é um dos ateliers mais visitados e elogiados da cidade de Cunha. 

Suenaga & Jardineiro recebe turistas há anos com seus eventos de abertura das fornadas das peças de cerâmica. Chegam a reunir uma plateia de até 200 pessoas. 

Com as cerâmicas em exposição ao pé dos fornos, mostram todas as etapas da elaboração da argila.  Mas antes da abertura em si, o casal conta um pouco de sua história e experiência. Um passeio super interessante! 

Estão abertos diariamente das 10h às 17h, e não cobram nada para o acompanhamento da abertura dos fornos. 

Como chegar | o atelier está localizado na Rua Dr. Paulo Jarbas da Silva, no bairro Mantiqueira. 

Gaia Arte Cerâmica 

Gaia Arte Cerâmica é famoso por seus workshops de raku, técnica de cerâmica japonesa que envolve a queima das cerâmicas à 1250 graus em um forno a gás. 

O evento é feito em noites específicas e envolve a explicação e demonstração da elaboração das cerâmicas. Possui cerca de sete horas de duração, oferece certificação de participação para os visitantes e exige agendamento 15 dias antes

O que fazer em Cunha: Gaia Arte e Cerâmica
Gaia Arte Cerâmica. Foto: divulgação.

Os donos da oficina, Mali e Wager Gambaré, contam toda a história da técnica e mostram o passo a passo para a formação da peça final. 

O ateliê está aberto ao público de quinta à terça-feira, das 10h às 18h

Como chegar | está situado na Rua Alcides Barbeta, no bairro Vila Rica. 

Atelier Mieko e Mário 

Fundado em 1975 pelos artistas Toshiyuki, Mieko Ukeseki e Alberto Cidraes, possui o primeiro forno Noborigama de Cunha, em atividade até os dias de hoje. 

Cercado da paisagem tranquila das montanhas do antigo matadouro municipal, o Atelier Mieko e Mário oferece diversas peças à venda, como esculturas, objetos, painéis e outros itens utilitários. 

Quem passa por lá se surpreende muito com a simplicidade e elegância das peças expostas. 

O funcionamento é das 10h às 17h, de segunda a domingo. 

Como chegar | o atelier está na Rua Gerônimo Mariano Leite, no bairro Vila Rica. 

Oficina de Cerâmica Augusto Campos e Leí Galvão 

Oficina de Cerâmica Augusto Campos e Leí Galvão tem o propósito de apresentar e mostrar detalhadamente as etapas da arte cerâmica para o público. O local conta até com um palco central, ótimo para visualizar melhor o ceramista lidando com as peças. 

Com 20 anos de atividade, possui uma decoração rústica e bem aconchegante. Junto com as exposições da confecção das cerâmicas, organiza eventos como oficinas e palestras. 

A loja, vendendo as peças de cerâmica, é muito elogiada por seus preços acessíveis. 

A oficina está aberta das 8h às 18h, de segunda à sábado, e das 10h às 18h, aos domingos e feriados. 

Como chegar | a oficina está na Avenida Antônio Luís Monteiro. 

 14. Festival de Cerâmica em Cunha 

Geralmente entre os meses de outubro e novembro, ocorre um dos mais tradicionais e frequentados eventos da cidade: o Festival de Cerâmica de Cunha! 

Ao longo dos dias do festival, é possível aproveitar exposições coletivas e individuais de artistas ceramistas locais, palestras e cursos, shows na praça da matriz, eventos nos próprios ateliers de cerâmica e workshops no Instituto Cultural da Cerâmica de Cunha (ICCC). 

15. Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição 

Mais conhecida pelos cunhenses apenas por Matriz de Nossa Senhora da Conceição, é um dos mais valiosos patrimônios históricos e arquitetônicos da cidade. 

Construída em 1730, possuía incialmente o título de Capela de Nossa Senhora da Conceição. Porém, com a ajuda financeira de diversas famílias da região ao longo dos anos, foi sendo ampliada até as proporções atuais. 

Com um estilo barroco, possui uma boa conservação dos afrescos e obras da capela original. Mas, atualmente está com o seu interior em restauração. 

Como chegar | a igreja está na Praça Conego Siqueira, no centro de Cunha. 

16. Mercado Municipal de Cunha 

Ainda no coração do centro da cidade, o Mercado Municipal é uma opção de passeio em Cunha que une duas maravilhas: história e gastronomia. 

Inaugurado em 1913 sobre as ruínas da antiga Capela de Nossa Senhora da Lapa (que foi demolida em 190)7, o Mercado possui um estilo colonial. 

Bem próximo a igreja matriz, é forte por seus queijos, doces, bebidas, artefatos de couro e o famoso pinhão em conserva. 

Já funcionou como palco de teatro, salão de bailes, almoxarifado, depósito e até mesmo bar. Nos dias de hoje, é um dos principais passeios gastronômicos de Cunha; 

Está aberto das 7h30 às 17h30, de segunda à sábado, e das 7h30 às 12h, aos domingos e feriados. 

Dica | para pegar o mercado mais tranquilo de circular, tente ir bem cedinho. 

Como chegar | é só ir até a Rua Dom Lino, no centro da cidade. 

17. Igreja do Rosário e São Benedito 

Com ótima localização, bem próxima a restaurantes, bares e lojinhas, a Igreja do Rosário e São Benedito também faz parte do lado histórico de Cunha. 

Construída em 1793 para os escravos da região frequentarem rituais religiosos, é tombada como patrimônio histórico e cultural. 

Seu interior é encantador: com paredes bem altas, teto verde de madeiras e altar com desenhos dourados.  

Está aberta ao público apenas em dias de festa. 

Como chegar a igreja está situada no Largo do Rosário, na Rua Dr. Casimiro Rocha. 

18. Lojas de Artesanato 

Assim como a produção de cerâmica, a confecção de peças artesanais é outro ponto bem forte para o turismo em Cunha.  

Com diversas lojas de artesanato espalhadas pela cidade, mas principalmente na região, é possível conferir todo tipo de trabalho – desde os mais simples até os mais sofisticados e trabalhosos. 

Se você quer guardar aquela lembrança especial da viagem ou presentar alguém com um objeto charmoso, trouxemos dicas de duas boas lojas de artesanato em Cunha: 

Casa Santo Antônio 

Com uma loja charmosa de estilo rústico localizada em um casarão antigo, a Casa Santo Antônio é perfeita para quem busca por variedade nos itens à venda. 

Por lá é possível encontrar quadros, redes, animais feitos de madeira e até mesmo cabides decorados – e sempre com produtos em ótima qualidade. 

Está aberta das 8h30 às 18h, de segunda à sexta, e das 8h30 às 14h, aos sábados. Não funciona aos domingos. 

Como chegar | a Casa Santo Antônio está na Rua Dom Lino, bem no centro de Cunha. 

Casa do Artesão 

Casa do Artesão é o melhor lugar para conhecer e apreciar um pouco mais o artesanato típico de Cunha. Funcionando como um museu e loja, concentra obras de diversos artesãos da cidade, desde cerâmicas até trabalhos em madeira e tecido. 

As exposições ficam no piso superior, junto com o espaço onde ocorrem diversos cursos e eventos. Além dos artesanatos, o local também vende bijuterias, bordados, roupas e até mesmo óleos essenciais. 

O funcionamento é das 9h30 às 17h30, de segunda à quinta, e das 10h às 18h, aos finais de semana. 

Como chegar a Casa do Artesão está na Rua José Arantes Filho, no bairro Vila Rica. 

19. Casarões Antigos 

Um dos passeios mais gostosos em Cunha é caminhar por lá e se deparar e com diversos casarões antigos ao estilo colonial. 

Grande parte das atrações do centro da cidade ficam localizados entre esses casarões antigos – como é o caso da praça central, que é cercada por casas que já abrigaram (e ainda abrigam) diversas gerações de cunhenses. 

Lar também de restaurantes e barzinhos, os casarões antigos fazem parte do cenário arquitetônico essencial da cidade de Cunha. 

Onde comer: restaurantes em Cunha 

Claro que não podíamos deixar de indicar os melhores lugares para comer em Cunha

O lado gastronômico da cidade se faz principalmente a partir de comida caseira, com sabores da fazenda. 

Mas também não faltam opções de cozinhas internacionais, além dos bons sabores tradicionais da culinária nacional. 

Resumo da história: as opções de restaurantes em Cunha são para todos os tipos de gostos e paladares. 

Para já ir ficando com vontade, confira nossas sugestões de onde comer em Cunha

Ateliê e Restaurante Drão | com uma decoração aconchegante, é um bistrô perfeito para um almoço em família ou jantar romântico. Além de servir pratos mais sofisticados, funciona também como museu, com uma coleção de telas, lustres e cerâmicas de todo canto do mundo trazidos pelos donos. E a cada mês, realiza um festival gastronômico temático. 

dO Gnomo Restaurante & Petiscos | um dos mais procurados e famosos dentro do estilo slow food na cidade, no qual o chef prepara os pratos junto aos clientes. A cozinha se baseia principalmente em ingredientes locais, com destaque para a truta, shiitake, pinhão e cordeiro. O ambiente é perfeito para relaxar e aproveitar o momento! 

Villa Favorita – Cozinha Artesanal Italiana | para os amantes de cozinha italiana, é a melhor opção. Com um ambiente aconchegante e romântico, ele se baseia principalmente em pratos da região da Toscana. 

Restaurante Quebra Cangalhaum dos mais tradicionais da cidade quando o assunto é cozinha da roça! Ótimo para jantares e ir com a família toda. Sua cozinha é simples, mas agrada a todo tipo de turista. 

Quanto custa uma viagem para Cunha 

Para poder ter uma noção de quanto você irá gastar em uma viagem para Cunha, confira a estimativa que fiz abaixo. Considerei preços da baixa temporada: 

Transporte 

  • Ida e volta São Paulo – Cunha – de carro I R$400 (combustível e pedágio) 
  • Ida e volta São Paulo – Cunha – de ônibus I R$140 
  • Ida e volta Rio de Janeiro – Cunha – de carro I R$500 (combustível e pedágio) 
  • Ida e volta Rio de Janeiro – Cunha – de ônibus I R$160 

Hospedagem 

O preço médio das diárias em Cunha varia de R$120 a R$600 (R$60 a R$300 por pessoa), em acomodações com quarto duplo. 

Alimentação 

  • Restaurantes econômicos | R$30 a R$40 por pessoa – centro da cidade 
  • Restaurantes com preço moderado | R$40 a R$100 por pessoa – centro e área rural 
  • Restaurantes mais sofisticados | R$75 a R$150 por pessoa – área rural 

Passeios 

Visitas à parques, trilhas e campos de flores I ingressos em torno de R$15 

As atrações históricas e as cachoeiras em Cunha possuem entrada gratuita. 

O que levar para Cunha 

Como Cunha é uma cidade de serra e está a uma altitude um pouco mais elevada, não deixe de levar roupas mais quentinhas. Mesmo no verão, a noite por lá costuma ser mais fresca. 

Para as trilhas pelos parques e cachoeiras, separe os equipamentos necessários para esse tipo de atividade, como calçados fechados, protetor solar e repelente. 

Não se esqueça também de levar comidas e bebidas para passeios na natureza, já que a grande maioria deles não conta com estrutura turística. 

E, claro, não deixe de se preparar para tirar milhares de fotos. Cunha é um destino super fotogênico! 

Mais dicas de viagem para Cunha 

  • Em passeios e atrações mais movimentados, como as cachoeiras e Pedra da Macela, recomendamos que você preste mais atenção em seus pertences e itens pessoais. 
  • Para ficar mais próximo de restaurantes, bares e comércio, uma boa opção é ficar hospedado no centro da cidade. 
  • Como a cidade não possui linhas municipais de ônibus, nem aplicativos de transporte, outra dica bem legal é apostar no aluguel de um carro. Certamente essa é melhor opção para circular com mais tranquilidade por Cunha. 

Não esqueça do seguro viagem! 

Se você quer curtir a viagem para Cunha com o máximo de tranquilidade, o seguro viagem nacional é imprescindível de se levar em conta na hora de planejar o roteiro. 

O seguro irá te auxiliar com despesas médicas e problemas como atrasos no voo, cancelamentos e extravio de bagagem. 

Para escolher a melhor opção pelo menor preço, faça uma pesquisa na nossa página de seguros. Com o código EMALGUMLUGAR5, você ganha até 10% de desconto na cotação (5% com o cupom + 5% com pagamento via boleto bancário). 

Sugestão de roteiro para Cunha no fim de semana 

Como vc viu, Cunha é repleta atrações turísticas. Nós preparamos uma sugestão de roteiro para ser feito em um fim de semana – mas é claro que você pode estender a estadia e aproveitar ainda mais o destino! 

  • Dia 1 | Lavandário + Cachoeira do Desterro + Cachoeira do Pimenta + ateliers de cerâmica + centrinho histórico 
  • Dia 2 Pedra da Macela OU Trilhas do Parque + Canto das Cachoeiras OU Contemplário + Cervejaria Wolkenburg 

Mapa de Cunha 

Confira todos os pontos turísticos de Cunha marcados no mapa: 

Uma viagem para Cunha combina com: 

Paraty | Na famosa Costa Verde do estado do Rio de Janeiro, a aproximadamente 46 km de Cunha, Paraty reúne praias lindas, paisagens incríveis da mata atlântica e um charme típico de seu centrinho histórico com construções coloridas. Confira o que fazer em Paraty e veja também nossas dicas de hospedagem em Paraty.  

Ubatuba | Separada por cerca de 120 km de Cunha, Ubatuba é outra ótima opção para dias de praia e natureza. Uma das cidades mais procuradas do litoral norte paulista, possui praias de todos os tipos – aproveite e veja a nossa seleção com as 35 melhores praias de Ubatuba (+TOP 10) – cachoeiras, trilhas e uma boa variedade de hotéis e pousadas. Confira nossas dicas de onde se hospedar em Ubatuba e veja também um guia completo com o que fazer em Ubatuba

Caraguatatuba | Por aqui, o ecoturismo é o carro chefe entre os passeios turísticos. Em torno de 200 km de Cunha, conta com diversas trilhas, cachoeiras e visitas ao incrível Parque Estadual da Serra do Mar, além de praias super gostosas. Conheça as 10 melhores praias de Caraguatatuba através do nosso post e saiba tudo o que fazer em Caraguatatuba, com 8 passeios imperdíveis. 

Trindade | parte da cidade de Paraty, Trindade é uma charmosa vila de pescadores repleta de recantos paradisíacos. Apenas 74 km a separam de Cunha, e por lá, as opções de turismo contam com diversas praias, trilhas e cachoeiras. Saiba mais sobre o que fazer em Trindade no nosso post. 

Conta pra mim: depois de ler todas as nossas dicas sobre o que fazer em Cunha, já conseguiu se apaixonar por esse destino? 

Tanto para quem vem de São Paulo ou Rio de Janeiro, o charme e clima típico de Cunha conseguem com certeza criar dias perfeitos para uma viagem de qualquer tipo. 

Aqui separamos sugestões de hospedagens, passeios e lugares para comer em Cunha. Tudo aquilo que é preciso para montar uma viagem incrível! 

Agora, só resta preparar a mala e cair com o pé na estrada rumo a Cunha! 

Esse post pode conter link de afiliados. Isso significa que, ao fazer uma reserva a partir desses links, você ajuda a manter nosso blog e não paga nada a mais por isso. Nós agradecemos seu apoio!

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento. Sempre confirme datas, preços e informações.


Escrito por Adriana

37 anos. Carioca. Colecionava carimbos no passaporte durante as férias, mas resolveu levar esse hobbie a sério. Jornalista, trabalhou com marketing por um bom tempo, mas deixou o mundo corporativo para viver uma vida com mais significado. Convenceu o Caio a se jogar no mundo e hoje se dá por satisfeita carregando um caderninho, uma câmera e um tapete de yoga.

Quer saber como viajar mais por menos?

Receba agora so seu e-mail nosso guia gratuito: são 40 dicas imperdíveis para colocar em prática já na sua próxima viagem!

Brasil: explore

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos no Instagram

CONHECE O MIRANTE DA CABOCLA? 📷 Esse é o Mirante da Cabocla, um dos mirantes mais bonitos de Arraial do Cabo. Do alto se vê a Praia do Forno, a Praia dos Anjos e, de longe, a Praia do Farol. 👣 Você acessa o Mirante por uma trilha que começa na Prainha, passa pela Praia da Graçainha, pelo Mirante da Cabocla e termina na Praia do Forno. 👉 Vale lembrar que é extremamente recomendado fazer qualquer trilha da região acompanhados de um guia local.

⛴️ IMAGINA UM BARCO DENTRO DE UMA PISCINA!Foi exatamente o sentimento que  tivemos nesse dia. Mar calmo, quase sem vento e uma água que parecia ter sido tratada que nem a de piscina!Esse talvez tenha sido um dos dias de mar mais bonito que já pegamos em Arraial do Cabo 💙Saudade desses passeios @arraialvipturismo !

SAUDADE DE IR A PRAIA, NÉ MINHA FILHA?Assim que abrirem as praias vamos ficar o dia inteiro com a Sol na água brincando! 🐕Esse é o dog que a gente sequestrou do pai da Dri pra fazer a quarentena ficar mais leve!

NAUFRÁGIO EM ARRAIAL DO CABO? 🚢Com o vai e vem das marés, em algumas épocas do ano é possível ver a embarcação Imbetiba, que naufragou no canto da Praia Grande em 10 de setembro de 1881.O naufrágio passa a maior parte do tempo encoberto. Ele fica ali bem pertinho da areia, do lado esquerdo da praia. E é possível avistá-lo principalmente quando a água está bem clara e com a maré baixa.

FELIZ DIA DOS NAMORADOS!Para ela que é a melhor companhia que eu poderia ter para viver a vida que a gente sonha juntos!Esse é o nosso sexto dia dos namorados juntos. E apesar de tudo que está acontecendo no mundo, eu continuo dizendo que o nosso mundo é o melhor lugar no mundo!
Feliz dia dos namorados a todos os casais que se amam ♥️

X

JÁ BAIXOU NOSSO E-BOOK GRATUITO?

Inscreva-se agora e receba no seu e-mail nosso e-book: são 40 dicas de como viajar mais e melhor por menos!